Mais um trecho das notas sobre o processo de criação do meu romance "Os óculos de Paula"




XXII.
Marcelo Gleiser (1997, p.11), em seu livro A dança do universo, discute a questão de “por que existe algo ao invés de nada”. Essa questão pode ser abordada no sentido literário da criação. Afinal, por que existe um livro? Por que escrever algo? Por que criar histórias? Por que escrever mais livros se já existem muitos? Por que estou escrevendo esse livro?
Mais adiante o autor escreve que “quando nos deparamos com a questão da origem de todas as coisas, podemos discernir uma clara universalidade do pensamento humano. A linguagem é diferente, os símbolos são diferentes, mas, na sua essência, as ideias são as mesmas” (p.18). Pensando mais uma vez no sentido literário, um dos mitos existentes para a criação são as Musas. Filhas de Zeus (Júpiter) com Mnemósine (Memória), “são as fontes inspiradoras que comunicam aos homens a faculdade poética e lhes ensinam as cadências” (MENARD, 1991, p.54).
Carrero, no entanto, escreve: “Os inspirados esperam pelas musas. Ou por Baco, na segunda cerveja do bar da esquina. Equivocados.” (2005, p.59).

O trabalho pode ser lido na íntegra aqui: http://btd.unisc.br/Dissertacoes/CassioneiPetry.pdf

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Uma resenha que não aconteceu