Avançar para o conteúdo principal

Mais um comentário de um leitor sobre "Os óculos de Paula"

Comentário de mais um grande leitor, Felipe Kopp:



O salto de qualidade entre vários dos seus contos do livro anterior e Os óculos de Paula é bastante perceptível. Melhorou o uso da linguagem narrativa, os diálogos ficaram mais verossímeis (apesar de alguns ainda parecerem um pouco forçados, principalmente nas conversas entre Paula e o marido ou entre Paula e os amigos do esposo) e os personagens se adensaram.

Mas o que realmente me agradou foi a qualidade da estrutura do livro. O estilo fragmentado, que dá uma mobilidade necessária ao romance, casou 100% com o enredo. Além disso, ele facilita o resgate das passagens, num movimento de ida e volta que é obrigatório para ir montando o quebra-cabeça da história (por isso que disse que o "reli em partes"). Quebra-cabeça, aliás, bem montado. Gostei de ficar acompanhando o tirar e colocar dos óculos da Paula ou as pistas metanarrativas deixadas sobre como ler o livro (em especial o capítulo 33).

E o final! Ah, o final! Só ele já valeria toda a leitura. Quando li o que o Norberto escreveu na introdução, chamando-o de "surpreendente", pensei que não seria tanto e lá pela metade do romance já pensava que tinha desvendado o mistério e resolvido o puzzle. Porém, ao final, também me admirei e precisei voltar para reler alguns capítulos. Isso dá aquele prazer de leitor, de ter sido pego em uma boa armadilha.

Espero que o livro seja mais visto e lido. Tenho acompanhado a publicação de alguns vencedores do Prêmio SESC de Literatura na categoria romance e, sinceramente, o seu livro não perde em nada para nenhum deles.

Ainda há algumas coisas a serem melhoradas. É preciso trabalhar mais nos diálogos, principalmente quando os personagens são "menos intelectuais". Falta-lhes um "quê" de naturalidade. A parte dos debates filosóficos também. Não me convenceu muito que as opiniões do Fred e suas publicações pudessem ter tanta influência sobre outras pessoas a ponto de... bom, você sabe.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…