Avançar para o conteúdo principal

Meus epitáfios – parte I



Sugestão de epitáfios para minha lápide, que não serão usados porque quero ser cremado e ter minhas cinzas jogadas em qualquer lugar.

AQUI JAZ CASSIONEI
FOI, MAS NÃO DISSE PARA ONDE.

AQUI JAZ CASSIONEI
FOI BOM PAI DE FAMÍLIA,
MAS FICOU MAIS TEMPO COM SEUS LIVROS. NÃO O PERDOEM POR ISSO.

AQUI JAZ CASSIONEI
LEU DURANTE TODA A VIDA,
MAS AGORA NÃO PODE LER ESTE EPITÁFIO.

AQUI JAZ CASSIONEI
QUE NARROU SUA MORTE EM ALGUNS DE SEUS LIVROS,
MAS COMO QUASE NINGUÉM OS LEU, POUCOS SABEM DISSO.

AQUI JAZ CASSIONEI
TEVE MUITOS DEFEITOS,
UM DELES FOI NÃO RECONHECÊ-LOS.

AQUI JAZ CASSIONEI
HOMEM HONESTO E CUMPRIDOR,
CUMPRIU TUDO O QUE PROMETEU,
INCLUSIVE QUE IRIA MORRER.

AQUI JAZ CASSIONEI
ENFIM, MAGRO.

AQUI JAZ CASSIONEI
SUICIDOU-SE PARA CHAMAR A ATENÇÃO DE SUA OBRA.
MAIS UMA VEZ FRACASSOU.

AQUI JAZ CASSIONEI
O MAIOR ESCRITOR DA SUA RUA.

AQUI JAZ CASSIONEI
FOI PROFESSOR, COITADO.

Comentários

Cassionei Petry disse…
Vamos ver se há tempo para a parte 2.

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

Escrevo no Amálgama sobre "A montanha mágica"