Avançar para o conteúdo principal

Que tal um pacto com o Capiroto?

Na minha coluna no jornal Gazeta do Sul de hoje, Traçando livros, texto já publicado por aqui, porém revisto:



Uso óculos (ou Vou ali assinar uma pacto com o Capiroto e já volto)

Uso óculos, por isso que as meninas do Leblon não olham mais pra mim (aliás, nunca olharam, aliás 2, nunca fui ao Leblon, aliás 3, nunca fui ao Rio de Janeiro). São 4,5 graus de miopia numa lente e 5 graus na outra. Tenho os olhos tortos, o que explica minha visão diferente das coisas, meu olhar diferente para a realidade (aliás 4, não explica nada, mas escrevi isso porque achei legal essa comparação (tá, parei)).
As lentes, porém, não são suficientes para ter uma visão boa, pois mesmo assim não consigo enxergar perfeitamente de certa distância, depende também do tamanho do que quero ver de longe. Enquanto escrevo estas mal traçadas linhas, meu amor, porque veio a saudade visitar meu coração (aliás 5, que musiquinha brega essa do Erasmo Carlos e do Renato Russo, hein?, mas é bonitinha) e o cursor pisca como se dissesse “vai, desgraça, mexa esses dedos”, volta e meia levanto a cabeça e observo as lombadas dos livros que estão nas três estantes que compõem a biblioteca da traça que vos escreve. Consigo visualizar menos da metade dos títulos e os nomes dos autores. Destaque-se, no entanto, o enorme 2666 na lombada do romanção do Roberto Bolaño (que não, não e não, não é o Chaves todos atentos olhando pra TV que, aliás 6, se chama Bolaños, com S no final, e morreu esses dias causando uma comoção na América Latina (ou somente no México e no Brasil?)). O título é relativo ao número do Capeta, o que me faz perguntar se o escritor chileno não fez o pacto com o Capiroto para que se tornasse o que se tornou e por isso no deixou muito cedo. Fazer pacto com o Diabo não é novidade nas artes e temos vários casos comprovadamente não comprovados como o do poeta simbolista Baudelaire e o bluseiro Robert Johnson. Coincidentemente (ou não), estou ouvindo Paganini que, dizem, assinou o contratinho com o Coisa-ruim para tocar violino daquela forma espetacular (aliás 7, um dos seus caprichos é o som de chamada do meu celular, como se o Demo tivesse me chamando a toda hora). P.S.: Coincidência ou não, enquanto releio estas linhas (escritas há mais de uma semana), para publicá-las na página do Traçando Livros, estou novamente ouvindo Paganini.
O pacto demoníaco também é tema de literário de obras como o Fausto, do Goethe, e seus derivados, como o Doutor Fausto, do Thomas Mann. Na literatura brasileira, Guimarães Rosa pôs o seu Riobaldo a também fazer seu pacto com o Cramulhão em Grande sertão: veredas. O curioso é que o autor foi eleito para a Academia Brasileira de Letras em 1963 (3 vezes o 6?) e adiou sua posse com medo de que fosse passar mal com a emoção. Quando resolveu assumir, quatro anos depois, disse em seu discurso: “a gente morre é para provar que viveu”. Acabou morrendo três dias depois. Teria feito um pacto com “o Arrenegado, o Cão, o Cramulhão, o Indivíduo, o Galhardo, o Pé-de-Pato, o Sujo, o Homem, o Tisnado, o Coxo, o Temba, o Azarape, o Coisa Ruim, o Diá, o Dito Cujo, o Mafarro, o Pé-Preto, o Canho, o Duba-Dubá, o Rapaz, o Tristonho, o Não-Sei-Que-Diga,  O -Que-Nunca-Se-Ri, o Sem-Gracejos, o Muito-Sério, o Sempre-Sério” entre outros nomes que ele elenca na sua obra-prima para denominar o Diabo?
O texto era para falar sobre os títulos das lombadas dos livros enfileirados na minha estante, no entanto acabei mudando de assunto. Comecei falando sobre os óculos (que, aliás 8, não são de Paula(ou são?)) e acabei no Pacto com Diabo, o que me leva a pensar na possibilidade de assinar com o meu sangue um contrato com o Das Trevas para que me torne um baita escritor (tá, parei).
Cassionei Niches Petry é professor, mestre em Letras. Autor de Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco) e Os óculos de Paula (Editora Autoral). Escreve regularmente para o Mix e mantém um blog, cassionei.blogspot.com.

Comentários

Paola Figueiredo disse…
Excelente blog, excelente texto!

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …