Avançar para o conteúdo principal

Prepare-se: previsões de 2015



 
Faço previsões agora. Jogo búzios, cartas, pratico quiromancia e copromancia. Na Gazeta do Sul de hoje foram publicadas minhas previsões para 2015. Uma já errei, mas nós, videntes, sempre erramos alguma propositalmente para dar uma chance aos críticos de plantão.

Prepare-se: previsões de 2015

O ano de 2015 começa e você já tem a primeira decepção: quase nada do que acontece no filme “De volta para o futuro 2” está se concretizando. Ou você já viu por aí um tênis que se amarra automaticamente, uma jaqueta que muda de tamanho ou carros voadores? Não parece que já estamos na metade da segunda década do século XXI. Onde está o futuro? Estamos ainda no século XX! Mas como dizia aquele herói vermelho cujo criador morreu em 2014 e a que ainda assistimos (prova de que estamos no século XX, pois o programa é dos anos 70!), “palma, palma, não priemos cânico”.
Em janeiro, bem no comecinho, você voltará ao trabalho, se não estiver de férias. Se você estiver gozando o merecido descanso, não irá ao trabalho e aproveitará o tempo livre para ir à praia ou aproveitará o ar-condicionado do hipermercado indo todos os dias fazer compras. E assistirá a diversas reprises na TV. Em fevereiro, você curtirá o carnaval ou criticará quem gosta dessa festa pagã. Seu time voltará a jogar e você assistirá aos jogos pensando “nesse ano seremos campeões ou conquistaremos uma vaga para a Libertadores”.
Em março, mês da boa guerra, o Brasil volta ao normal e você também. Seus filhos voltam às aulas (que alívio!). A cidade renasce das cinzas (do carnaval?). Em abril, no dia 1º, você tentará pregar uma peça em algum conhecido. Mas haverá alguém para dizer, “no Brasil é 1º de abril todo dia”. E você lhe dará razão. E pensará que o Dia da Mentira poderia ser transferido para 22 de abril.
Em maio, mês do trabalhador e das noivas, o salário mínimo aumentará um pouquinho e várias pessoas vão se casar. Coitadas dessas pessoas (que recebem apenas o salário mínimo, que fique bem claro). Junho, conforme minha previsão, será o mês das festas juninas e é quando iniciará o inverno, que será frio, mas com dias de calor.
Em julho, ainda acontecerão algumas festas juninas e o tio do “é pavê ou é pra comê” vai dizer que deveríamos chamá-las de “festas julinas”. Muitos terão mais alguns dias de férias. (Estão reparando que minhas previsões estão bastante otimistas?) Em agosto acontecerão alguns desastres, acidentes, mortes e por isso muitos começarão a chamá-lo de “mês do desgosto”, mostrando que somos bons de trocadilho. Acabam aqui as minhas previsões otimistas.
Em setembro, muitos procurarão no Youtube a canção “Manhãs de setembro”, da Vanusa, aquela que também será lembrada por ter errado a letra do Hino Nacional, afinal setembro é o mês da pátria que nos pariu. No RS, se comemorará uma batalha que foi perdida e se preservarão as tradições, com direito a desfiles de cavalos defecando nas ruas. Outubro é o mês da criança e as redes sociais estarão repletas de fotos em preto e branco de meninos e meninas do século passado. Você também mudará sua foto de perfil.
Novembro será o penúltimo mês do ano e já começará morto, quer dizer, começará com a comemoração dos mortos (“co” de junto e “memoração” de lembrar, ok?). Vamos recordar juntos nossos mortos, inclusive o ano que já está morto.
Dezembro terá muitas “festas de final de ano das firmas”. Em algumas delas, uma funcionária quietinha, depois de muitas cervejas, dançará sobre as mesas, vomitará sobre o chefe e depois fará uma selfie mostrando a língua.  Haverá ainda o Natal (“e o que você fez?”), anunciado pela voz da Simone, e muitos Papais Noéis morrendo de calor esvaziarão seus sacos que ficaram cheios durante o ano. Já na virada do ano, você comerá lentilha, pulará sete ondas, vestirá branco, estourará espumantes e foguetes, desejará feliz ano novo e cantará “Marcas do que se foi”.
Essas são minhas previsões. Não me responsabilizo se elas não se concretizarem.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …