Avançar para o conteúdo principal

Que educação é essa?


Em artigo publicado recentemente num jornal da capital gaúcha, uma professora afirma que o papel da educação é libertar o aluno das garras do neoliberalismo. Devido a esse tipo de pensamento, o ensino do nosso país chega a níveis baixos de qualidade em qualquer avaliação realizada, tanto em âmbito nacional quanto internacional. Estamos mais preocupados em formar cidadãos críticos e comprometidos politicamente do que transmitir-lhes os conhecimentos construídos ao longo dos séculos pela humanidade para que consigam, assim, pensar por si próprios.
 A escola, todo mundo repete, precisa mudar. Quem apregoa esse mantra acredita piamente que ela não mudou nos últimos trinta anos. Entretanto, as transformações no ensino ocorridas no Brasil pós-ditadura são notórias e se intensificaram a partir das Leis de Diretrizes e Bases dos anos 90. Em conta-gotas, fomos deixando de lado o chamado “ensino tradicional” para assimilar o pensamento de dezenas de teóricos do século XX, boa parte deles da primeira metade desse mesmo século.
Já estamos, no entanto, no século XXI e essas ideias já estão ultrapassadas, não contemplam mais as necessidades do aluno. Com toda a informação a sua disposição, o papel do professor seria ensinar o indivíduo a usá-la, mas fazendo com que ele mesmo crie seus caminhos. O professor não pode dizer para o aluno, por exemplo, que o neoliberalismo não é bom, que o capitalismo é selvagem, que o comunismo morreu, que a esquerda é o caminho ou que a direita é a solução. A partir da leitura de diversas fontes e de muita reflexão, o estudante chegará a uma ideologia de vida escolhida por ele, não por nós, professores.
Isso somente é possível se a educação voltar a valorizar a disciplina, a hierarquia, o comprometimento. Os professores não conseguem mais lidar com alunos que não estudam porque sabem que vão passar depois de recuperações e mais recuperações paralelas e, se não adiantar, um provão para, assim, melhorar as estatísticas que favorecem os governos. O jovem incomoda na sala de aula porque sabe que “não vai dar nada”, as punições são leves. O professor não impõe respeito porque não pode mais ser a autoridade dentro da sala, sujeito que está a ser processado pelos pais se, por exemplo, retirar o celular do aluno. O jovem não lê mais porque o seu mestre não pode obrigá-lo a ler “aqueles livros chatos”, pois isso, pasmem, afasta-o da leitura e é antipedagógico!
O professor, porém, pode (e deve!), segundo os “entendidos”, incentivar o estudante a ir para as ruas repetir frases prontas, fazê-lo ler determinados teóricos e não ler outros que são ideologicamente contrários a opinião do professor (que, por sua vez, segue a ideologia do partido que está no poder), dizer-lhe para não assistir à emissora de TV que não mostra “a verdade” dos fatos, que é ignorância ler a revista semanal manipuladora de informação, etc. Estamos formando indivíduos críticos, ora essa!
Os críticos da educação tradicional reivindicam um ensino que não seja bancário, a conhecida analogia freireana de que o professor deposita no aluno o seu conhecimento e este apenas reproduz o que aprendeu. Entretanto, continuam no mesmo diapasão, somente mudando a bandeira do banco.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…