Avançar para o conteúdo principal

Terroristas das timelines



Há quem lê um texto ou assista à TV e apenas comenta com o companheiro ou com os filhos se gostou ou não. No entanto, há quem prefira se acomodar na cadeira à frente do computador ou segurar o notebook ou tablet sobre as pernas, no sofá mesmo, e repercutir o que pensa para milhares de outras pessoas nas caixas de comentários de sites e timelines das redes sociais. Tudo isso seria ótimo, não fosse o tom da maioria dos comentários. Geralmente, é de ódio, ainda mais se o alvo for uma pessoa famosa ou uma rede de comunicação importante. Em vez de dizer que tal cantor é muito ruim, escrevem que é também um babaca. Em vez de criticar de forma civilizada um colunista, depois de ler seu texto com atenção, leem somente o título ou o comentário de outras pessoas, tiram conclusões precipitadas, acusam-no, não aceitam suas desculpas por ter sido mal interpretado e, por fim, desejam que a pessoa perca seu emprego, quando não desejam a morte do indivíduo.
No Brasil, estamos há trinta anos vivendo numa democracia e desfrutamos da liberdade de expressão, porém não sabemos usá-las. Temos diversas fontes de informação, mas escolhemos aquelas mais duvidosas, porque combinam com nossa opinião e atacamos raivosamente quem pensa diferente. Não basta dizer que a pessoa está equivocada, é necessário chamá-la de idiota também. Atacamos emissoras de TV, revistas, celebridades, jornalistas e artistas sem analisar o que fazem. Basta serem de direita e nós de esquerda, serem católicos e nós evangélicos, serem homossexuais e nós heterossexuais. O que importa é xingar, ofender pessoalmente, mostrar que eles estão errados e nós certos. Estamos usando nosso direito de expressão, ora essa!
Por insistir em escrever na internet ou colaborar com jornais, já fui ofendido algumas vezes, em uma delas por escrever um artigo expondo ideias contrárias a determinadas crenças religiosas. Veja bem, contra as crenças, mas não contra as pessoas que as seguem. Pois em vez de atacarem as minhas ideias, atacaram a mim, desejando-me todo o mal do mundo. Em outro momento, depois de escrever um texto reavaliando a influência de Paulo Freire na educação do nosso país, alguém escreveu nas redes sociais que tinha pena de quem ainda era meu aluno e que eu merecia ser demitido da escola particular onde lecionava, o que veio acontecer um tempo depois. Nos dois casos, não atacaram as ideias, mas sim aquele que as tinha e teve a coragem de expô-las.
Um famoso colunista recentemente foi “linchado” nas redes sociais por ter escrito um texto em que estava sendo irônico, querendo dizer justamente o contrário do fato pelo qual o estavam atacando. Isso mostra que não só somos comentaristas injustos, como também somos péssimos leitores.
Não podemos relacionar tudo isso ao atentado terrorista contra cartunistas acontecido em Paris no dia 7 de janeiro de 2015. Não estamos, porém, muito longe de vermos algo parecido acontecer por aqui.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…