Avançar para o conteúdo principal

Terceiro acorde

(De um crítico que critica a si mesmo.) 
Minha filha criou meu perfil em uma rede social da internet. Escolheu uma imagem curiosa para ser o que ela chamou de avatar. Parece que a foto tem muito a ver comigo. Um escritor em um espaço com as paredes almofadadas, seu rosto demonstrando uma expressão de loucura enquanto escreve em uma máquina de escrever no chão. Não perguntei a ela por que escolheu tal ilustração. Acredito que é a visão que ela tem de mim. Quando criança, com a sinceridade que somente os pequenos têm, me disse que eu fazia caras engraçadas quando estava à frente da minha Olivetti Lettera.
Sou louco? Pode ser. Simão Bacamarte, personagem do Machado de Assis, diria que todos o somos, inclusive quem julga os outros dessa forma. Louco é o que foge do considerado normal, num conceito bem simplório. Não pode ser normal escrever histórias, juntar palavras, trabalhá-las em busca de uma estética. O normal é escrever o simples, o essencial, num vocabulário mediano. O mais comum é o vocabulário pobre, com abreviaturas, com “carinhas”. José Saramago disse uma vez que estamos voltando ao grunhido primitivo. Do Vossa Mercê ao “vc”, podemos imaginar que o próximo passo para trás é apontar o outro quando alguém quiser se comunicar. Depois do grunhido, o silêncio, que até não seria má ideia.
Voltemos, porém, à rede social. Aprendi logo a usá-la e comecei a fazer convites de “amizade” a escritores, críticos, professores. Alguns logo aceitaram e começaram a surgir, a partir desse momento, solicitações de “amizade” de pessoas das quais nunca ouvi falar, mas que eram também escritores, críticos, professores, outros apenas leitores. O círculo se expande, talvez resulte em leitores para o blog e para os livros que, quiçá, venha a publicar.

Posso estar dando a impressão de ser um zero à esquerda em relação à internet. Já a uso, no entanto, há bastante tempo, por obrigações de trabalho e também para ler jornais ou sites de notícias e de literatura, bem como para comprar livros que não encontrava nas livrarias das cidades onde trabalhei. Se tenho uma vasta biblioteca, inclusive com livros em línguas espanhola e inglesa, foi graças à internet. É um mal, portanto, necessário.
Júlio Nogueira

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …