Avançar para o conteúdo principal

Durma-se com um barulho desses

(Mais uma participação do crítico e ex-professor Júlio Nogueira aqui no blog.)

Aqui na chácara, tudo tranquilo. Na última madrugada, um grilo deu o ar de sua desgraça, mas foi só. Ouço apenas o som do vento nas árvores, do canto dos pássaros e o da cozinha, pois minha mulher prepara o almoço. Por que não o faço eu, para agradá-la? Porque minha cozinha é outra, meu banquete não é comestível.
Hoje dispenso até a música clássica. Beethoven está mudo, em vez de surdo. Os instrumentos não falam por ele. Talvez o “4’33”, do Cage, fosse uma boa pedida.
Li alguma coisa de literatura contemporânea para ver se despertava algo para escrever. Nem para criticar estão servindo as últimas leituras. Já abandonei o último livro do Ricardo Lísias, um bom romancista, cujos contos isolados até são bons também, mas no conjunto se tornaram intragáveis pela repetição de temas e de personagens com o mesmo nome do autor. As descrições das partidas de xadrez são mais chatas do que o próprio jogo. Tchau, “Concentração”.
As redes sociais me apresentaram ao poeta e contista Diego Moraes. Gostei muito de alguns poemas e, principalmente, dos aforismos. É um bom frasista. Quando li um conto dele, porém, me decepcionei, pois a todo o momento tenta inserir uma dessas frases de impacto com uma reiteração de comparações no lugar de metáforas. Fiquei tão irritado como o Mirisola quando recebe críticas. Aliás, gostaria de ler o último livro do autor de “O herói devolvido”. Providencia um exemplar, minha filha.

Prometi escrever um texto ameno e acho que estou cumprindo minha promessa, por isso não vou escrever sobre a farofada que são os livros do Gregório Duvivier, cujos pontos nem ele consegue ligar. Tampouco vou falar sobre a Fernanda Torres, que como escritora é uma grande filha da Fernanda Montenegro. É o fim da picada essa moça (ops!) já ser alçada como grande nome da literatura ao lado de outros consagrados. Calma, muita calma. Também não vou falar do irmão do Julinho da Adelaide, nem vou ouvir sua música, pois eu quero silêncio. E o strogonoff preparado pela minha eterna namorada.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …