Avançar para o conteúdo principal

Trilogia de um texto só


Sou um homem das letras, das palavras, das frases, dos parágrafos, do texto. Os números não são minha praia. O máximo das aulas de matemática de que me lembro é que 2 + 2 = 5 (ou foi a literatura que me ensinou isso?).
Mas há alguns números que me perseguem e eu os persigo vez ou outra. Que o digam os pobres dos alunos, que aguentam as filosofices deste medíocre professor quando escreve a data no quadro. Um destes números é o 33, o número do suicídio. Quem leu o meu romance, Os óculos de Paula, entenderá, assim como quem acompanha há mais de 3 anos o meu blog (clique no marcador 33 ali ao lado e verá).
“O que faço com estes números?”, canta o engenheiro das palavras Humberto Gessinger. Vinha ouvindo esta música há pouco no meu golzinho usado, cuja primeira dona morava numa casa de número 333. Dois versos da canção dizem: “Aos 33 Jesus na cruz/Cabral no mar aos 33”. Gessinger é um obcecado pelo número 3. Já escrevi sobre seu livro Pra ser sincero: 123 variações sobre um mesmo tema e a relação do músico com o número. Reproduzo aqui o que escrevi na época do lançamento:
“HG nasceu em 1963. A banda teve em sua formação original 3 membros: Gessinger, Carlos Maltz e Marcelo Pitz. O primeiro show foi num dia 11/ 1 (somando, dá o número 3). Já no primeiro LP, o número aparece nos versos da música “Longe demais das capitais”, que dá nome ao disco: “O 3º sexo, a 3ª guerra, o 3º mundo”. Mais adiante, Augusto Licks entra no lugar de Pitz, completando aquela que seria a formação mais importante da banda. No segundo LP, o número está presente nos versos de “Revolta dos Dândis II”: Esquerda e direita, direitos e deveres,/ os 3 patetas, os 3 poderes”. Inspirados em outro “power trio”, os canadenses do Rush, os Engenheiros estabeleceram que depois de 3 discos, iriam gravar sempre um outro ao vivo, plano que eles cumpriram até o final dos anos 90. Também criaram várias trilogias de seus discos, uma delas é a trilogia da bandeira tricolor do Rio Grande do Sul, formada pelos álbuns “A revolta...”, “Ouça o que eu digo...” e “Várias Variáveis”, cada um com uma das 3 cores da bandeira gaúcha na capa. Quando resolveu realizar um trabalho solo, HG juntou mais dois músicos e formou o Humberto Gessinger Trio. Poderíamos citar mais músicas ainda (“3ª do plural”, “3X4”, “3 minutos”, etc.)...”
Também ando relendo A divina comédia, de Dante, cujas 3 partes contém 33 cantos (o “Inferno”, na verdade, tem 34, mas o primeiro é um prólogo). O poema é composto por estrofes de três versos, tem 3 personagens principais (o próprio Dante, o poeta latino Virgílio e Beatriz), o Inferno é descrito como um lugar que tem 9 círculos (3X3), alguns divididos em outras 3 partes. Habita o 3° círculo o Cérbero, mitológico cão com 3 cabeças. No 9º círculo, os 3 maiores traidores da História, segundo Dante, Judas Iscariotes, Brutus e Cassius (opa!), são devorados por Lúcifer. O purgatório e o paraíso aparecem também com 9 círculos cada um, perfazendo um total de 27, ou seja 3³. Há mais referências ao 3, sendo que a principal é a Santíssima Trindade da Igreja Católica.
Completei neste mês augusto 36 anos de idade (3+3+3+3+3+3+3+3+3+3+3+3). Já passei do “meio do caminho desta vida”, que é 35 anos no poema dantesco. Há 3 anos eu estava nos 33, como já disse, idade do suicídio. Não gosto de números, mas, como disse Pitágoras, eles governam o mundo. Curvo-me a eles, então.

(Coincidência, ou não, enquanto termino estas linhas, na MEC FM começam os primeiros acordes da Sinfonia nº 9, opus 33, de Glazunov. Sem mais para o momento.)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…