Avançar para o conteúdo principal

Richard Dawkins no Traçando Livros de hoje

Memórias de um ateu ainda não militante


“Sempre me interessei pelas questões profundas da existência, as questões a que a religião aspira a responder (e não consegue), mas tenho a sorte de viver num período em que essas questões ganham respostas científicas em vez de sobrenaturais.” Richard Dawkins
Livro mais recente do britânico Richard Dawkins, Fome de saber – a formação de um cientista (Companhia das Letras, 364 págs., tradução de Érico Assis) traz as memórias das quatro primeiras décadas de vida e trabalho daquele que coleciona legiões de detratores no mundo todo. É autor de Deus, um delírio, publicado em 2006, uma das mais contundentes obras contra a figura da divindade de várias crenças e realiza palestras e documentários no mundo todo na tentativa de destruir essa ilusão coletiva ao afirmar que o mundo estaria muito melhor se não houvesse religiões, como imaginava John Lennon.
Pelo menos neste primeiro volume de suas memórias, as críticas às religiões não são tão fortes, mesmo assim, entretanto, são mostrados os motivos de ele ter se tornado ateu. Antes, no entanto, retrata seus pais, avós e tios, uma família de cientistas, pessoas inquietas e curiosas de quem Dawkins herdou os genes, nesse caso não egoístas, só para ficarmos no termo que irá marcar sua trajetória acadêmica. Relata, ainda, a partir principalmente das pesquisas que fez nos diários e ilustrações de sua mãe, a infância que passou em alguns países da África, continente onde nasceu em 1941, mais precisamente no Quênia, já que seu pai assumira o posto de oficial agrônomo do serviço colonial britânico. São belas páginas com descrições da natureza africana.
Sua formação foi religiosa e era um menino crédulo, sendo que algumas histórias da infância, segundo ele, revelam “uma triste ausência de qualquer coisa remotamente parecida com pensamento crítico ou cético.” Na adolescência, ao fazer a crisma, chegou ao ápice da sua religiosidade: “Todo carolinha, censurava minha mãe por não frequentar a igreja.” Seus pais, diga-se, sempre lhe explicavam os mistérios do mundo a partir de respostas científicas, apesar de não serem necessariamente descrentes. Foi somente no colégio secundário, ao conhecer a fundo a teoria de Charles Darwin, que Dawkins passou a ser antirreligioso, recusando-se, junto com dois amigos, a se ajoelhar nos cultos da capela, “desafiadores como altivas ilhas vulcânicas no meio de um mar de cabeças abaixadas e murmurantes”.
A narrativa sobre a sua permanência na Universidade de Oxford, no Balliol College, também é interessante. Todos os rituais de entrada, as metodologias de ensino através de tutores e o contato com professores importantes, alguns futuros ganhadores do Prêmio Nobel, construíram a figura do cientista (“... se há algo que me fez ser quem sou, esse algo foi Oxford.”). Mais adiante, no entanto, as páginas sobre o já formado zoólogo e professor universitário, resultam numa leitura maçante para quem não é acostumado com os jargões científicos. São descrições pormenorizadas das pesquisas de Dawkins como etólogo, especialista em comportamento animal, bem como seus estudos de programação de computador, no início dessa tecnologia.
O livro se recupera ao falar sobre o processo de criação do primeiro best seller de Dawkins, O gene egoísta, publicado em 1976, aos 35 anos, e para por aí. A continuação das memórias, abarcando o período em que escreveu a maioria dos seus livros, está prevista para ser lançada ainda este ano no Reino Unido.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …