Avançar para o conteúdo principal

Direita, esquerda, dois lados da mesma moeda

Por pura coincidência, leio dois livros de escritores com posições políticas bem distintas: Abelardo Castillo, que é de esquerda, e Nelson Rodrigues, de direita. Do primeiro, leio Diarios – 1954-1991, e do segundo, me debruço sobre O óbvio ululante – primeiras confissões. Em ambas as obras, por serem confessionais, os autores revelam suas ideologias abertamente. Não é, porém, sobre elas que quero escrever, mas sim sobre certo patrulhamento que noto nas redes sociais sobre o que se deve ler ou não.

Quem é de esquerda, por exemplo, critica quem lê autores como Luiz Felipe Pondé. Já me chamaram a atenção por ter postado uma frase dele, dizendo algo como “não acredito que você lê esse cara!”. Do lado da direita, nunca fui abertamente questionado, mas indiretamente noto pessoas considerando gente do calibre de José Saramago como péssimo escritor só por ele ter sido comunista.

Por estas e por outras é que eu me afasto cada vez mais de ideologias, pelo menos tento me manifestar o mínimo possível sobre elas. Sigo e tenho como “amigos” nas redes sociais gente de todos os lados, indo dos mais radicais aos mais moderados e tiro algo de bom de suas postagens. Se nada me acrescentam, deixo de seguir o sujeito, mesmo que permaneça “amigo” dele.

Hoje é um desses dias em que as postagens beiram ao ridículo, pois há manifestações a favor do impeachment da presidente Dilma em várias capitais. De um lado, gente que tenta de todas as maneiras diminuir a relevância dos protestos; de outro, gente que tenta de todas as maneiras mostrar que algo inútil (pois acabei me convencendo de que qualquer tipo de protesto leva do nada a lugar nenhum) tem adesão de uma parcela significativa da população. É um show de falácias e incoerências que não têm tamanho, por isso me distancio de tudo isso e não tomo partido de lado nenhum. Já cantavam os Engenheiros que esquerda e direita são iguais e que Fidel e Pinochet tiravam sarro da gente.

Sou alienado? Talvez. O alienado é aquele que enxerga apenas o seu próprio mundinho como o verdadeiro e despreza o mundo dos outros. Eu enxergo apenas o meu mundo, no entanto fico apenas indiferente aos dos demais. Sou alienado na medida em que me sinto um alien que recém-chegou a um planeta confuso. Para entendê-lo, procuro uma biblioteca e leio os livros que poderiam me dar uma resposta, porém me trazem mais questionamentos e, por isso, não tenho tempo para ter certezas, muito menos tempo para convencer os outros de que minhas certezas são as certas.


Por isso vou continuar lendo escritores e filósofos de esquerda ou direita. Leio Márcia Tiburi e Olavo de Carvalho, Graciliano Ramos e Vargas Llosa, ouço Chico Buarque e Lobão. Não me interessam suas ideologias, mas sim o que criam e a capacidade que eles têm de me fazer questionar a realidade, cada um a sua maneira.  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …