Avançar para o conteúdo principal

No Traçando livros de hoje, "Guia politicamente incorreto do sexo", de Luiz Felipe Pondé


Filosofando sobre sexo


Comecei a conhecer a obra de Luiz Felipe Pondé a partir de Crítica e profecia – a filosofia da religião em Dostoiévski, um longo ensaio acadêmico sobre a obra do autor de Crime e castigo. Só depois apareceram na imprensa os seus artigos menos alentados em que o filósofo buscava atingir um público maior para as suas reflexões, sem deixar de lado, no entanto, sua enorme erudição. Surgiu daí o polemista, com pensamentos “de direita”, politicamente incorretos e, por isso, provocativos. É o tipo de escritor que gosto de ler: aquele que nos deixa inquietos, de quem às vezes discordamos, ou fingimos discordar, e outras vezes diz aquilo que gostaríamos de dizer e não dizemos, muitas vezes com vergonha do julgamento dos outros.
Depois de Contra um mundo melhor e antes de A era do ressentimento, Pondé escreveu, em 2012 o Guia politicamente incorreto da filosofia, que se tornou um inesperado best-seller e lhe rendeu uma boa dose de críticas por fugir do que a esquerda dita como cultural e intelectualmente relevante no país. Seguindo a mesma linha, acaba de publicar o Guia politicamente incorreto do sexo (Leya, 228 páginas) que promete incendiar os debates sobre os tabus sexuais e sobre como os “chatinhos” e “chatinhas”, segundo o autor, tratam o tema.
Denominado pelo filósofo como uma “coletânea de aforismos imorais”, os curtos e irônicos ensaios buscam rever posições ainda muito conservadoras sobre o sexo e combater a patrulha, principalmente das feministas: “o feminismo não entende nada de mulher”, escreve. O politicamente correto censura nossas atitudes, nossas relações. Busca o bem comum, muitas vezes, porém resultando numa imposição no modo como o indivíduo deve se comportar na sua vida pessoal. “A praga do politicamente correto destrói, no campo do prazer e do afeto, uma miríade de relações microscópicas construídas ao longo de milhares de anos entre homens e mulheres a fim de dar conta dessa insustentável paixão que um tem pelo outro, seja nas suas formas legítimas, como casamento e família, seja nas suas formas ilegítimas, como o adultério e o segredo de alcova.”
Pondé ressalta que a mulher gosta de ser desejada e as que pensam o contrário são as feias, sem atrativos, ressentidas com o sucesso das outras. Ele vê com bons olhos, inclusive, os patrões que contratam as atraentes: “Fazer uma reunião com pernas lindas a sua volta melhora o pensamento, ainda que ignorantes e mentirosos digam o contrário.” E afirma: “Quem não mistura sexo e trabalho deve muito àqueles que o fazem”.
Como todo bom aforista, Pondé nos proporciona frases lapidares que podem ser usadas nas redes sociais: “querer fazer sexo politicamente correto é como querer ser piloto de avião tendo medo de altura”; “pessoas muito limpas não deveriam emitir opiniões sobre sexo”; “fala-se ‘penetrar uma mulher’ porque a anatomia imita a vida do afeto: o amor é a invasão da vida.” Vale destacar, também, a capa e as ilustrações de Gilmar Fraga, que trazem, por exemplo, Freud e Lacan com as calças arriadas e cuecas samba-canção. A propósito, Pondé também é psicanalista.

 Guia politicamente incorreto do sexo não tem a mesma qualidade dos demais livros de Pondé, porém traz boas e bem-humoradas reflexões para mentes inquietas. Goste-se ou não do autor, é uma leitura indispensável para conhecer nossa contemporaneidade.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…