Avançar para o conteúdo principal

Crítico de uma literatura que não aceita críticas

Ser crítico no Brasil é uma tarefa difícil. Digo crítico mesmo, daqueles que dizem se a obra é boa ou não e justifica com argumentos sua opinião. Os espaços para a análise de literatura estão cada vez mais raros, assim como as reações dos autores não são nada amigáveis. Eu, por exemplo, que não sou propriamente um crítico, já fui “bloqueado” em redes sociais de escritores contemporâneos por fazer algumas restrições a suas obras.

Rodrigo Gurgel é um dos poucos críticos que temos. É inevitável falar dele e não lembrar que ele foi o famoso “jurado C” do Prêmio Jabuti de 2012, responsável por dar notas muito baixas a obras consideradas favoritas, o que foi considerado por muitos como uma tentativa de manipular o resultado. Acredito que depois disso ele deixou de ser chamado para compor a banca da maioria dos prêmios literários e sofreu severas ofensas.

Para conhecer melhor o trabalho de Rodrigo Gurgel, sugiro a leitura de Crítica, Literatura e Narratofobia, lançado recentemente pela Vide Editorial. É uma reunião de artigos e ensaios escritos para publicações como Folha de São Paulo, jornal literário Rascunho e seu site pessoal. Já os havia lido quase todos, mas em conjunto e dividido em seções, a leitura ganha novas nuances. Mesmo discordando de muitas opiniões, como as restrições que ele faz a Emil Cioran, por exemplo, saí das páginas do livro (na verdade do e-book), revitalizado e com mais vontade de também ser mais crítico do que resenhista.

Vale destacar alguns textos, como os da seção “O crítico à procura de si mesmo”. Em “Reflexões no Império dos Filisteus”, faz uma bela reflexão sobre a relevância da crítica e afirma que ela tem o espaço que merece: “Se o espaço diminui cada vez mais — e se o número de publicações dedicadas à literatura escasseia —, isso se deve não só a certas políticas editoriais ou a questões de ordem sociológica, mas também aos próprios críticos, que afastam os leitores ao incorporar a linguagem hermética da academia e evitar fazer julgamentos claros.” Em “Narratofobia – ou o pavor de narrar”, Gurgel refuta a necessidade imperiosa da literatura contemporânea em realizar uma obra centrada em experimentos de linguagem, submetendo “a criatividade às regras difundidas por supostos expertos, ou, pior, ao gosto das panelinhas”, porém deixando de lado a arte de contar uma boa história.

Nas demais seções, lemos críticas (negativas e positivas) pontuais a escritores estrangeiros, como Thomas Bernhard e Shakespeare, e nacionais, como Ana Maria Machado e Oskar Nakasato, em texto que justifica suas notas no prêmio Jabuti.

Como escreveu Flávio Morgenstern no prefácio, “é responsabilidade a mais exigente e gratificante cuidar de apresentar este grande intelectual a um público tão importante quanto os leitores de ficção (...)”. Se meus poucos leitores ainda não o conheciam, não percam tempo, pois se gostam das reflexões deste resenhista quase crítico, tenho certeza que apreciarão ler algo relevante sobre a arte literária, que é o que Rodrigo Gurgel faz com maestria. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…