Avançar para o conteúdo principal

Livros lidos e relidos durante o ano de 2015

Livros lidos ou relidos durante o ano de 2015, fora os abandonados e os que li somente capítulos para pesquisa. Em 2014 li 98. No ano passado li menos porque enfrentei o tijolão do Foster Wallace:

1-O Inescrito - Tommy Taylor e a identidade falsa, Mike Carey
2-A era do ressentimento, Luiz Felipe Pondé
3-Meninos valentes, Patrick Modiano
4-O inventor de estrelas, João Batista Melo
5-Um pouco mais de swing, João Batista Melo
6-Kassel no invita a la lógica, Vila-Matas
7-O homem-mulher, Sérgio Santanna
8-Os cavalinhos de Platiplanto, José J. Veiga
9-Graça infinita, David Foster Wallace
10-Herdando uma biblioteca, Miguel Sanches Neto
11-El pecho, Philip Roth
12-Stoner, John Williams
13-A coleira no pescoço, Menalton Braff
14-O professor do desejo, Philip Roth
15-O animal agonizante, Philip Roth
16-Adeus, Columbus, Philip Roth
17 - Complexo de Portnoy, Philip Roth
18 – Círculos da angústia, Philip Roth
19 – Violeta velha e outras flores, Matheus Arcaro
20 – A vida que vale a pena ser vivida, Clóvis de Barros Filho
21 – As melhores intenções, Philip Roth
22 – Un año, Juan Emar
23 – As coisas de João Flores, Marco Aurélio Cremasco
24 – Minha vida de homem, Philip Roth
25 – A lapso, Tarso de Melo
26 – Dos nervos, Ricardo Lísias
27 – O escritor fantasma, Philip Roth
28 – O senhor vai mudar de corpo, Raimundo Carrero
29 – A construção, Kafka
30 – A metamorfose, Kafka
31 – Zuckerman libertado, Philip Roth
32 – Minha luta – A morte do pai, Karl Ove
33 – O poeta das cinzas, Pier Paolo Pasolini
34 – Pobre gente, Dostoievski
35 – Lição de anatomia, Philip Roth
36 – O duplo, Dostoievski
37 – Conversas com um professor de literatura, Gustavo Bernardo
38 – A orgia de Praga, Philip Roth
39 – Chove sobre minha infância, Miguel Sanches Neto
40 – Só para fumantes, Julio Ramón Ribeyro
41 – Mis documentos, Alejandro Zambra
42 – Exposição de motivos, Deonísio da Silva
43 – A segunda pátria, Miguel Sanches Neto
45 – O avesso da vida, Philip Roth
46 – Fome de saber – Richard Dawkins
47 – Los hechos, Philip Roth
48 – Os gestos, Osman Lins
49 – Los años falsos, Josefina Vicens
50 – Perto do coração selvagem, Clarice Lispector
51 – El libro vacío, Josefina Vicens
52 – Éramos mais unidos aos domingos, Sérgio Porto
53 – O evangelho segundo Hitler, Marcos Peres
54 – Engaño, Philip Roth
55 – Sleepin bag, Mauro Ulrich
56 – Histórias curtas, Rubem Fonseca
57 – El secreto del mal, Roberto Bolaño
58 – Madame Bovary, Flaubert
59 – Substâncias perigosas, Pedro Eiras
60 – Patrimônio, Philip Roth
61 – A orgia perpétua, Vargas Llosa
62 – Misery, Stephen King
63 – Tudo o que pisa deixa rastro, Nei Duclós
64 – La invasión, Ricardo Piglia
65 – Dentro da noite veloz, Ferreira Gullar
66 – Tônio Kroeger, Thomas Mann
67 – Morte em Veneza, Thomas Mann
68 – Sombras de reis barbudos
69 – O equilibrista do arame farpado, Flávio Moreira da Costa
70 – O cego e a dançarina, João Gilberto Noll
71 – A divina comédia, Inferno, Dante
72 – Dançar tango em Porto Alegre, Sérgio Faraco
73 – O homem que esqueceu a Fórmula de Basckhara, Jeferson Luis de Carvalho
74 – A casa do girassol vermelho, Murilo Rubião
75 – O convidado, Murilo Rubião
76 – O pirotécnico Zacarias, Murilo Rubião
77 – Que fim levou Brodie?, Antonio Fernando Borges
78 – Minda-au, Marcio Renato dos Santos
79 - Golegolegolegolegah!, Marcio Renato dos Santos
80 – O antinarciso, Mario Sabino
81 – Ainda orangotangos,
 Paulo Scott
82 – O teatro de Sabbath, Philip Roth
83 – A boca da verdade, Mario Sabino
84 – Roth libertado, Claudia R. Pierpont
85 – Guia politicamente incorreto do sexo, Luiz Felipe Pondé
 
86 – Tempo de frutas, Nélida Piñon
87 - Meditação sob os lajedos,
 Alberto da Cunha Melo
88 – O óbvio ululante, Nelson Rodrigues
89 – Poemas hiperbólicos do fim do pampa,
 Cláudio B. Carlos
90 – Crítica, Literatura e Narratofobia,
 Rodrigo Gurgel
91 – Troco poesia por dinamite, Barata
92 – A lição, Ionesco

93 – Diarios, Abelardo Castillo

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…