Avançar para o conteúdo principal

Livros lidos e relidos durante o ano de 2015

Livros lidos ou relidos durante o ano de 2015, fora os abandonados e os que li somente capítulos para pesquisa. Em 2014 li 98. No ano passado li menos porque enfrentei o tijolão do Foster Wallace:

1-O Inescrito - Tommy Taylor e a identidade falsa, Mike Carey
2-A era do ressentimento, Luiz Felipe Pondé
3-Meninos valentes, Patrick Modiano
4-O inventor de estrelas, João Batista Melo
5-Um pouco mais de swing, João Batista Melo
6-Kassel no invita a la lógica, Vila-Matas
7-O homem-mulher, Sérgio Santanna
8-Os cavalinhos de Platiplanto, José J. Veiga
9-Graça infinita, David Foster Wallace
10-Herdando uma biblioteca, Miguel Sanches Neto
11-El pecho, Philip Roth
12-Stoner, John Williams
13-A coleira no pescoço, Menalton Braff
14-O professor do desejo, Philip Roth
15-O animal agonizante, Philip Roth
16-Adeus, Columbus, Philip Roth
17 - Complexo de Portnoy, Philip Roth
18 – Círculos da angústia, Philip Roth
19 – Violeta velha e outras flores, Matheus Arcaro
20 – A vida que vale a pena ser vivida, Clóvis de Barros Filho
21 – As melhores intenções, Philip Roth
22 – Un año, Juan Emar
23 – As coisas de João Flores, Marco Aurélio Cremasco
24 – Minha vida de homem, Philip Roth
25 – A lapso, Tarso de Melo
26 – Dos nervos, Ricardo Lísias
27 – O escritor fantasma, Philip Roth
28 – O senhor vai mudar de corpo, Raimundo Carrero
29 – A construção, Kafka
30 – A metamorfose, Kafka
31 – Zuckerman libertado, Philip Roth
32 – Minha luta – A morte do pai, Karl Ove
33 – O poeta das cinzas, Pier Paolo Pasolini
34 – Pobre gente, Dostoievski
35 – Lição de anatomia, Philip Roth
36 – O duplo, Dostoievski
37 – Conversas com um professor de literatura, Gustavo Bernardo
38 – A orgia de Praga, Philip Roth
39 – Chove sobre minha infância, Miguel Sanches Neto
40 – Só para fumantes, Julio Ramón Ribeyro
41 – Mis documentos, Alejandro Zambra
42 – Exposição de motivos, Deonísio da Silva
43 – A segunda pátria, Miguel Sanches Neto
45 – O avesso da vida, Philip Roth
46 – Fome de saber – Richard Dawkins
47 – Los hechos, Philip Roth
48 – Os gestos, Osman Lins
49 – Los años falsos, Josefina Vicens
50 – Perto do coração selvagem, Clarice Lispector
51 – El libro vacío, Josefina Vicens
52 – Éramos mais unidos aos domingos, Sérgio Porto
53 – O evangelho segundo Hitler, Marcos Peres
54 – Engaño, Philip Roth
55 – Sleepin bag, Mauro Ulrich
56 – Histórias curtas, Rubem Fonseca
57 – El secreto del mal, Roberto Bolaño
58 – Madame Bovary, Flaubert
59 – Substâncias perigosas, Pedro Eiras
60 – Patrimônio, Philip Roth
61 – A orgia perpétua, Vargas Llosa
62 – Misery, Stephen King
63 – Tudo o que pisa deixa rastro, Nei Duclós
64 – La invasión, Ricardo Piglia
65 – Dentro da noite veloz, Ferreira Gullar
66 – Tônio Kroeger, Thomas Mann
67 – Morte em Veneza, Thomas Mann
68 – Sombras de reis barbudos
69 – O equilibrista do arame farpado, Flávio Moreira da Costa
70 – O cego e a dançarina, João Gilberto Noll
71 – A divina comédia, Inferno, Dante
72 – Dançar tango em Porto Alegre, Sérgio Faraco
73 – O homem que esqueceu a Fórmula de Basckhara, Jeferson Luis de Carvalho
74 – A casa do girassol vermelho, Murilo Rubião
75 – O convidado, Murilo Rubião
76 – O pirotécnico Zacarias, Murilo Rubião
77 – Que fim levou Brodie?, Antonio Fernando Borges
78 – Minda-au, Marcio Renato dos Santos
79 - Golegolegolegolegah!, Marcio Renato dos Santos
80 – O antinarciso, Mario Sabino
81 – Ainda orangotangos,
 Paulo Scott
82 – O teatro de Sabbath, Philip Roth
83 – A boca da verdade, Mario Sabino
84 – Roth libertado, Claudia R. Pierpont
85 – Guia politicamente incorreto do sexo, Luiz Felipe Pondé
 
86 – Tempo de frutas, Nélida Piñon
87 - Meditação sob os lajedos,
 Alberto da Cunha Melo
88 – O óbvio ululante, Nelson Rodrigues
89 – Poemas hiperbólicos do fim do pampa,
 Cláudio B. Carlos
90 – Crítica, Literatura e Narratofobia,
 Rodrigo Gurgel
91 – Troco poesia por dinamite, Barata
92 – A lição, Ionesco

93 – Diarios, Abelardo Castillo

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …