Avançar para o conteúdo principal

Sobre O mundo segundo Garp, de John Irving



Não escondo uma predileção por romances que tenham escritores como protagonistas. Não entendo as críticas que se faz a esse tipo de gênero, dando a entender que o leitor não gosta de uma literatura autocentrada. Ora, qualquer tema é passível de gerar uma obra de arte, desde que ela aborde o lado humano, e não seja, claro, apenas uma masturbação linguística sem enredo.

Por isso me ouriço quando ouço falar de textos metaficcionais. O mundo segundo Garp, do norte-americano John Irving (Editora Rocco, tradução de Geni Hirata), é um desses, com o agravante de que teve uma adaptação cinematográfica com Robin Williams, um ator que sempre admirei, num dos primeiros filmes em que atuou.

O enredo do livro é cheio de peripécias, num emaranhado de histórias que se inicia com Jenny Fields, enfermeira oriunda de uma família rica, mas que deseja independência. Não querendo se envolver com nenhum homem, porém desejando ter um filho, consegue engravidar de um jovem sargento em coma do qual cuidava em uma enfermaria durante a Segunda Grande Guerra e que ainda assim mantinha ereções. Nasce então T. S. Garp, dessa forma mesmo, as iniciais sendo o próprio nome com o qual o garoto foi batizado.

Mais tarde, Jenny vai trabalhar numa enfermaria de uma escola onde passa a ler todos os livros da biblioteca. É onde cresce Garp, que se torna leitor ali também, entretanto, lê repetidamente alguns poucos livros, apenas os que lhe agradam. Garp também vira um atleta de luta romana e se apaixona pela filha do professor, Helen, outra leitora contumaz, que mais adiante se forma como professora de literatura.

Jenny Fields escreve sua autobiografia, intitulada Uma suspeita sexual, e alcança fama como feminista ao mesmo tempo em que Garp escreve contos para conquistar Helen e depois um primeiro romance, Procrastinação, que obtém relativo sucesso de crítica e público. Os dois se casam e têm dois filhos e também uma vida confusa, com várias situações cômicas e tragédias, com direito a amputações e mutilações. Paro por aqui para não estragar as surpresas de quem ainda não conhece a obra. Vale acrescentar que ela é repleta de curiosas personagens, como as feministas que cortaram as suas próprias línguas, seguidoras de uma mulher vítima de estupro, cuja língua fora amputada pelo criminoso.

Podemos ler, dentro do romance, textos do próprio Garp, como o conto “A pensão Grillprazer” ou o primeiro capítulo do que seria a obra mais polêmica do autor, O mundo segundo Bensenhahaver, classificada pelo editor como “novela de terror pornô de TV”. No entanto, há também os momentos em que o escritor não escreve nada e se frustra com isso, canalizando, por fim, suas energias em função da família.

Mesmo com o dispensável epílogo que conta detalhes das personagens após o último acontecimento trágico do enredo, o romance é muito bom e envolvente. Podemos ler as mais de 600 páginas com facilidade, apesar dos inúmeros conflitos. No mundo de John Irving, a literatura é tratada como ela merece. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…