Avançar para o conteúdo principal

Não leiam, jovens

Não leiam, jovens. Não abram os livros que estão na biblioteca da escola, tampouco acessem e-books na internet. Esqueçam o que algumas pessoas, principalmente os professores, dizem sobre a leitura. Naquele amontoado de letras vocês não vão encontrar nada que preste. Se os adultos os aconselharem a ler, desobedeçam. Fiquem distantes dos livros, certo?
Não leiam, jovens, porque nos livros vocês podem encontrar coisas inapropriadas para a idade de vocês. Sexo, por exemplo. A maioria dos livros tem descrições de sexo, as personagens só pensam em sexo, de manhã, de tarde, de noite, vivem em função disso. Não leiam, por exemplo, Reparação, de Ian McEwan, ok?, pois há uma cena de sexo dentro de uma biblioteca!  
Muitos livros têm sangue, muito sangue, mortes, violência. Fujam disso. Não é para a faixa etária de vocês. Fujam de caras como um russo chamado Dostoiévski. Ele escreveu um livro em que o herói da história não tem nada de herói. O cara, imaginem vocês, mata uma velhinha com um golpe de machadinha na cabeça e, para não ser pego, tem que matar a irmã da velhinha que apareceu bem na hora do crime. Imagina a quantidade de sangue no chão. E tudo porque ele queria roubar o dinheiro da velhinha, uma agiota que explorava os desesperados, para se tornar uma grande sujeito, assim como Napoleão, que fazia de tudo para ter poder. Não leiam, portanto, esse livro chamado Crime e castigo, certo?
Livros nos fazem pensar. Quer coisa mais chata do que pensar? Por que pensar se outro pode fazer isso pela gente? Na idade de vocês, jovens, escutem música simples, sem complexidade, apenas para se distrair e dançar. Assistam a filmes que não exijam muito de seus cérebros. Deixem os livros para os adultos que não sabem aproveitar a vida. Não leiam, pelo menos na idade de vocês, o romance 1984, de George Orwell, cujo vilão é um sistema conhecido como Big Brother.   
Livros deveriam ser proibidos. E já o foram. Em alguns países ainda há limitação para a leitura. Fazem muito bem. Livros são perigosos, são piores que armas de fogo. São como drogas que nos fazem ter uma percepção diferente da realidade e, como as drogas, deveria ser proibido o consumo de livros. Livro faz mal para a saúde como o cigarro, a bebida e o sertanejo universitário. Não leiam livros de um cara chamado Bukowski, pois o cara só bebe, fuma, fala mal de todo mundo e faz sexo, muito sexo. O escritor é conhecido como o “velho safado”. Não o leiam, em hipótese alguma.

Livro é coisa de gente rebelde, que não está conformada com o mundo e quer mudá-lo. E vocês, jovens, precisam se divertir, curtir baladas, jogos eletrônicos e postar selfies na frente do espelho fazendo biquinho. Lembro mais uma vez que os livros têm conteúdo inapropriado para vocês, jovens. Não leiam. É um conselho de adulto.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…