Avançar para o conteúdo principal

O primeiro livro de Orígenes Lessa

A obra de Orígenes Lessa (1903-1986) está um pouco esquecida atualmente, mas não por falta de editora. A Global vem reeditando seus livros, entre os quais o clássico O feijão e o sonho, que chegou a ser adaptado para a TV e ganhou mais popularidade pelas edições da coleção Vaga-Lume, da Ática.
O seu primeiro livro, de 1929, O escritor proibido, recebe merecidamente uma terceira edição pela Global. Apesar de não ser um dos melhores trabalhos de Lessa, certamente é um item que não pode faltar na biblioteca dos admiradores do autor e do gênero conto.
São histórias curtas, que refletem bem os anos 20, e venho mergulhando nos últimos dias em leituras desse período. Um homem de trinta e poucos anos, calvo, até então um solteirão convicto, casa-se e afirma, para surpresa de todos, não ter se casado por amor, nem mesmo por interesse financeiro, mas sim pela amizade; a paixão de um jovem por uma bailarina de circo; um artista frustrado pensa “na vacuidade da vida” quando decide reencontrar seu antigo amor e se decepciona quando a descobre avó, andando com dificuldades devido ao reumatismo; um demônio com “uma sorridente barbicha à Pirandello, em “Satanás e a desigualdade humana”; no conto “O meu futuro suicídio (do jornal de um neurastênico)”, uma reflexão sobre o ato de tirar a própria vida: “o que justamente me preocupa é a facilidade com que penso esbandalhar-me o crânio com um revólver que, aliás, não possuo”.
Um dos contos mais interessantes é “O homem cujos desejos se realizavam”. É a história de um funcionário de uma fábrica de automóveis durante os anos 20 que recebe de uma fada o dom de conseguir realizar todos os seus desejos. “Tudo o que pensares intensamente – basta pensar – se realizará.” O homem pensa em transformar um frasco de perfume em champanhe francês e isso acontece automaticamente. Passa a desejar luxo, dinheiro fácil, e tudo é prontamente realizado. Num restaurante, não gosta da risada de um garçom e o acaba matando com seu pensamento, mas depois o ressuscita. Ou seja, realmente tudo se realiza. Acontece que ele não consegue controlar seus pensamentos e sua vida se torna um inferno. “O seu pensamento era quase uma calamidade.”

Está na lista das próximas leituras A cidade que o diabo que esqueceu, o terceiro livro de Orígenes Lessa, disponível por enquanto somente em sebos. O segundo, Garçon, garçonete e garçoniere, não encontrei na Estante Virtual. Espero que a Global também o reedite.

Comentários

Tiago Cysne disse…
Dele eu li "rua do sol", que é um romance com teor autobiográfico, e gostei bastante.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …