Avançar para o conteúdo principal

Sobre "Papel mojado", de Juan José Millás



O livro num primeiro momento me atraiu pela capa, com o desenho de uma máquina de escrever. Mas já estava, no entanto, querendo ler algo de Juan José Millás há algum tempo. A sinopse traz a palavra suicídio, tema que, como alguns leitores do blog já sabem, me persegue. Há também a presença de um escritor, na verdade dois, que querem escrever um romance em que um deles é morto. O que vamos ler é uma dessas narrativas idealizadas. Soma-se a isso tudo o metarromance, algo que também me atrai. O resultado é uma leitura prazerosa, rápida, com uma tensão na medida certa para o público a que se destina a obra, o juvenil, apesar de o desfecho exigir um leitor mais experiente.
Papel mojado (1983), título cuja explicação só aparece no final, traz a história de um jornalista de uma revista popular de Madrid e também escritor fracassado, Manolo G. Urbina, cujo amigo, Luiz Mary, se suicidou. Incitado pela ex-namorada, Tereza, que por último foi amante do morto, e por um episódio que vivenciaram dias antes, ele está convicto de que houve, na verdade, um assassinato e resolve investigar. Os dois se envolvem numa teia de falcatruas relacionadas à indústria farmacêutica. Como a trama é policial, detetivesca, apesar de o jornalista estar fazendo a tarefa de péssimo detetive, não vou revelar muita coisa.
O jogo de aparência e verdade é a parte maior do iceberg. Quem é o escritor e quem é o personagem? O dinheiro é verdadeiro ou falso? Houve um suicídio ou não? Qual o crime que a empresa realmente cometeu? Quem é realmente o assassino, se houve assassinato? Os amigos são amigos de verdade? O que esconde o monte de papéis da maleta,objeto de desejo dos capangas mal-encarados? A história que lemos é policial mesmo ou não passa de uma paródia do gênero? Desvendar o oculto nos mantém no suspense até o final.

O livro foi escrito por encomenda e se tornou um sucesso de vendas, sendo adotado inclusive por escolas na Espanha, dando certa tranquilidade financeira para que Juan José Millás produzisse sua obra adulta. Muitos jovens leitores espanhóis devem ter-se iniciado no gosto pela leitura através desse romance. Para mim, é a porta de entrada para as outras obras do escritor valenciano.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …