Avançar para o conteúdo principal

"Os sebos: do paraíso ao inferno", texto meu no jornal hoje


Sou frequentador de sebos. Na minha cidade há pelo dois: um acanhado, com poucos livros, e que está a mais tempo no mercado, o “Sebum”, e outro maior, que há pouco tempo abriu suas portas, “Sebo Livro Vital”. Ambos foram criados por mulheres aposentadas, apaixonadas pelos livros, que queriam ter uma ocupação e, claro, ainda ter certo lucro com isso, mesmo que pouco. Entrar nesse nesses ambientes e sentir o cheiro de livro velho, encontrar preciosidades e poder comprar livros baratos para aumentar minha biblioteca particular é o que me move a sair de casa.

Por que o nome “sebo”? Várias versões dão conta da denominação. Antonio Carlos Secchin, no seu Guia dos Sebos da cidade do Rio de Janeiro e São Paulo, escreve que o nome vem do estado em que se encontram geralmente as capas dos livros usados, engordurados pelo manuseio de sucessivos donos. O nome é próprio do Brasil. Em Portugal, por exemplo, é alfarrabista; na França, “librairie d’occasion”; nos países de língua espanhola, “libreria de viejo”. De qualquer forma, para leitores como eu, é um templo. 

Muitas vezes, porém, não encontramos tudo o que queremos em um sebo. Para a nossa salvação, há centenas e centenas de sebos à disposição em um clique no computador. Para aumentar as vendas, os sebos disponibilizam sites próprios e também aderem a endereços coletivos. Para mim, um recluso incurável, é um banquete dos deuses. Dia desses, por exemplo, encontrei pela internet um exemplar de Passa-Três, livro de contos de Orígenes Lessa, de 1935, mas com assinatura de um antigo dono datada de 1949. 

Por falar em assinatura, minha última aquisição foi a primeira edição de Depois do sol, primeiro livro de Ignácio de Loyola Brandão, de 1965, com autógrafo do autor, que recebeu recentemente um prêmio da Academia Brasileira de Letras pelo conjunto da obra. Dependendo do autógrafo e da raridade do exemplar, nem sempre os livros custam barato. Estou em busca, por exemplo, do raríssimo Porão e sobrado, de Lygia Fagundes Telles, seu primeiro livro, de 1938, que ela hoje renega, mas só o encontrei pelo proibitivo valor de R$ 1.500,00! 

O sebo pode ser a alegria ou a tristeza do leitor. Como assim tristeza? Ribeiro Couto retratou muito bem esse sentimento do leitor no conto “O crime do estudante Batista”, escrito no início dos anos 20. No enredo, um jovem aspirante a advogado depende dos poucos rendimentos do seu pai para se manter na capital, prosseguir seus estudos de Direito e, principalmente, comprar livros, sua grande paixão. Seu genitor, porém, morre, e ele se vê obrigado a arrumar o emprego. Esperando uma nomeação prometida por um senador conhecido da família, começa a vender aos poucos os seus livros a um sebo, com muita tristeza. “Logo que fosse nomeado iria resgatar no sebo os seus pobre amigos.” Sua situação piora quando recebe uma carta da irmã, solicitando ajuda financeira. Desesperado, decide vender toda a biblioteca de uma vez só. O dono do sebo, no entanto, como um demônio da perversidade, oferece um valor muito baixo pelo conjunto de livros. O estudante Batista, dominado pela ira, comete, então, o ato que dá título ao conto. 

O dono de um sebo pode ser, então, um anjo que nos leva ao céu, ou um demônio que nos arrasta ao inferno. A Sueli e a Estela, proprietárias dos sebos citados, são os anjos deste escriba ateu e a elas dedico esta crônica.

Comentários

Que lindo, Cássio! Adorei. Os sebos acabam sendo a única alternativa pra muitos. Inclusive pra mim. Abração

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …