Avançar para o conteúdo principal

Alçapão, de André Ladeia


Um registro rápido da leitura de Alçapão, de André Ladeia (Editora Oito e Meio, 81 páginas). Já conhecia o autor pelo seu primeiro livro, Suave como a morte, cuja abertura é um belo poema que dialoga com a dedicatória de Brás Cubas em suas memórias. A intertextualidade, quando bem empregada, tende a me conquistar como leitor.
O livro recente tem poemas muito bons e outros nem tanto, pelo menos na minha percepção. Não sou, porém, bom crítico de poesia. Leio poucos livros de poemas. Pego aleatoriamente um e outro para ler, principalmente quando leio em voz alta nas aulas de literatura. Sei, no entanto, que o escritor, na maioria das vezes, tem um projeto de livro, e os versos acabam funcionando melhor quando em conjunto. Mal comparando, uma coisa é ouvir uma música do Pink Floyd isoladamente. Outra coisa é a canção no conceito proposto pelo álbum. A apreciação estética é diferente.
Pensei em ler Alçapão numa estrutura conceitual a partir do título. Lembro que num encontro de um grupo de estudos poéticos, o grande mestre e doutor na arte poética, o professor Norberto Perkoski (que escreveu a apresentação do meu romance, Os óculos de Paula), disse que o alçapão simboliza algo relacionado à separação de um casal. Tentei ler a obra de André Ladeia nesse sentido. Leitura equivocada a minha.
Na dedicatória que me fez ao me enviar um exemplar, escreveu que o livro era “uma armadilha poética”. Mesmo dessa forma, não fui capturado. É no sentido de porta que leva ao pavimento inferior de uma casa, o porão, a linha que acabei seguindo para a leitura. Desci.
Desci com o escafandrista ao fundo do mar, com os mineradores aos túneis, com as guilhotinas que cortam as cabeças, com as cabeças que “quicam/ao olhar/ dos curiosos”, com o corpo que cai pendurado com uma corda no pescoço, com as colunas que sustentavam a construção, com o corpo no túmulo úmido, com a poeira caindo sobre os livros, com as gralhas que “Disputam/Aos tapas/As migalhas/Deixadas”. Dessa feita, consegui entrar no alçapão da mente de André Ladeia e os poemas ganharam com isso e eu ganhei como leitor.
[Os críticos, não raro, inventam mais do que realmente dizem as palavras], reverbera o eu lírico de “Perdido no poema”. Os críticos, na verdade, são leitores mais experimentados, que ajudam o leitor a ler. Nesse caso, fui o crítico que ajudou a si mesmo.
Destaco os poemas: “Perspectivas do de cujus”, “Retrato de velhos tempos”, “Uma vida entre os livros”, “Gralhas”, “O homem”. E, para arrematar, há uma narrativa em modo dramático que cairia muito melhor num livro de contos. “Domingo em Rigel Kent” se passa numa pequena cidade cujo prefeito decreta que quase todos os dias sejam domingo. Os cidadãos, no entanto, que necessitam da burocracia da prefeitura, não conseguem realizar suas demandas. Uma alegoria bem elaborada sobre as atitudes duvidosas dos governantes e da apatia de parte da população que aceita tudo: “o prefeito não erra”.
Vale a leitura.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…