Avançar para o conteúdo principal

Em um debate no orkut

"Religião é falha pq o ser humano é falho. E a casa de Deus não é com paredes pintadas e ele cravado em uma cruz... E pra finalizar,só quando o ser humano se ligar de que Deus é um só"

Pergunto:Tu falas em um Deus. Portanto, nota-se claramente que o que te fez acreditar em um deus foi uma religião. Logo, se a religião é falha, a ideia de deus também o é.

"e que ele é muito mais do que palavras escritas em um livro e que ele queria era nos ver felizes e não escravos do seu "amor eterno" não seremos mais humanos! :)"

Você se contradiz, pois onde está dito isso o que deus pensa é justamente nesse livro (ou em outros).

"tenho uma pergunta??

qnts vzs vc leu a Biblia??

ao menos uma?? (apesar d não ser suficiente)"

Se esta pergunta é para mim, já li diversas vezes, li quando era católico, li quando fui evangélico e continuo lendo. Mas, ao contrário dos que tem fé, eu não leio apenas as partes sugeridas por padres, pastores, etc. para reforçar a fé. Leio toda Bíblia para poder criticá-la e o que só reforça meu ateísmo. Volto a pergunta pra você: você realmente leu a Bíblia ou simplemente cita passagens que te interessam?

"Prof. Cassionei, lamento pelas suas experiências q t levaram a desacreditar em Deus!"
Na verdade eu não acreditava, eram os outros que me faziam acreditar.

"Já li diversas vzs a Bíblia! São os princípios do Seu Autor q norteiam minha vida!"
Então você concorda com este trecho? "A mulher aprenda em silêncio, com toda a sujeição." 1º Timóteo cap. 2 versículo 11.

"Uma dúvida? Agora q és ateu, puseste alguém no lugar de Deus, como a ciência por exmplo, ou este lugar está vazio?? o q é, hj, o mais importante e principal para ti?"
No lugar estão minha família, mãe, pai, irmãos, esposa, filha, amigos, alunos, livros, música, cinema... Isto é o mais importante. Precisa mais?

Comentários

Mirella disse…
Deveras aprazível. Acho digno.
E o indivíduo não lhe respondeu mais?
Mirella disse…
Observa-se que ele não respondeu às suas perguntas, apenas lhe fez outras; não foi capaz de argumentar. Nada convincente.
Cassionei Petry disse…
"A" indivíduo. Por enquanto não.
Mirella disse…
Uma pausa para orar.
Cassionei Petry disse…
Mas en várias discussões que participei, foi a pessoa mais bem educada. A maioria já parte pra o ofensa. Em um blog um cara me chamou de patético, simplesmente porque disse que nós ateus não podemos provar a existência de deus porque não se pode provar que uma coisa não existe. Quem tem que provar é quem acha que existe.
Mirella disse…
Menos mal. É o mínimo com o qual deve se dirigir aos outros, ainda mais em discussão. Ofensa é vulgaridade e não argumento.
Cassionei Petry disse…
Se há uma ofensa seguida de um bom argumento até me rendo! Mas ofensa burra, tô fora!
Mirella disse…
É esse o negócio. :)


Sete comentários. Opa... Agora são oito.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …