Avançar para o conteúdo principal

Tim Hunter ou Harry Potter

Sim, sim. Ou não, não. Depende do que você está pensando. O sim é se você está pensando em plágio. O não é se você está pensando que foi Gaiman quem plagiou Rowling. Os livros da magia foram publicados em 1991. É uma série de HQ com roteiro de Gaiman e desenhos de John Bolton, Scott Hampton, Charles Vess e Paul Johnson. E Harry Potter, como todos sabem, começou a ser publicado em 1997. Perguntado sobre o caso, o próprio Gaiman disse que não era plágio, pois "o arquétipo do jovem feiticeiro tem vários outros precedentes na literatura". É verdade, mas há muitos pontos em comum nas histórias, por exemplo:

"- Os dois começam suas aventuras com a mesma idade.
- Os dois são ingleses.
- Os dois são fisicamente iguais: Óculos, brancos, cabelo preto.
- Os dois moram em um subúrbio londrino com uma família de pessoas normais.
- Os dois tem uma coruja branca de estimação.
- Os dois estão destinados a ser o maior mago do mundo.

- Os dois não conheceram a mãe e o pai verdadeiros.
- Os dois são enviados a uma escola de magia.
- Os dois tem uma amiga descabelada e de personalidade forte.
- Os dois encontram um unicórnio eventualmente.

- Os dois tem um irmão gordo e chato (o de Timothy é de sua mãe de criação, que entra na história mais tarde, justiça seja feita). " (fonte: http://www.tiagoteixeira.com.br/blog/weblog.php?p=2001_11_01_arquivo_blogger.html)

Há ainda outras semelhanças, mas prefiro que cada um tire suas conclusões. Nesta página, por exemplo, o personagem Tim Hunter entra em um mercado de compras no "mundo de lá":

Parece houve um acordo com a Warner ou outra coisa parecida para que o Gaiman não levasse adiante algum processo.
Diferença importante: Os livros da magia são direcionados ao público adulto e, até agora, achei muito superior ao Harry Potter.

Comentários

Mirella disse…
"- Os dois tem um irmão gordo e chato (o de Timothy é de sua mãe de criação, que entra na história mais tarde, justiça seja feita)."

Pequena correção: Potter não tem irmãos. Duda é o PRIMO dele. Harry foi o único filho de Lily e James Potter.
Cassionei Petry disse…
Sim, a JK não ia dar "tão" na vista.
São primos mas vivem como irmãos, sorry.
As semelhanças param por aí, até porque a HQ do Gaiman tem temática mais adulta, aliás, não é nada aconselhável para o público infanto-juvenil.
M disse…
Como irmãos... Está mais para elfo doméstico, do que primo ou irmão.

Esses tempos, vi um site que disponibilizava capas para adultos camuflarem seus livros de HP. Levando em conta a versão britânica e adulta da série, nem é tão necessário... Pena que é difícil de achar por aqui.
Cassionei Petry disse…
Tenho digitalizada série, posso te passar se quiser.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …