Conto - ÚLTIMA VEZ

Salvador Dali, After michelangelo's squatting child, 1982

por Cassionei N. Petry

Bebi muito, já que era meu último porre. A fim de não gastar o resto do dinheiro, decidi ir embora. Também não havia nenhuma mulher no bar, só uma bicha, que se oferecia pra mim com uma voz forçosamente feminina. Me vi obrigado a lhe dar um soco na boca. Jurou se vingar, mas não dei importância. Precisava de uma mulher de verdade, na qual pudesse descarregar meus desejos pela última vez.

Encontrei a mulher sentada na calçada, logo na saída do bar. Tinha a cabeça escorada nos joelhos e chorava. Toquei no seu ombro e ela me olhou. Aonde? ela perguntou. Em qualquer lugar, eu respondi. Pode até ser aqui mesmo. Claro, pra mim também não importa o lugar, ela concordou. Mas vê se para de chorar, eu pedi e ela me atendeu.

Agora eu estou aqui, sentado na mesma calçada, vendo a prostituta ir embora contando o dinheiro que ganhou. Fico feliz por ela. Porém, meu sorriso logo se desfaz quando os dois homens param na minha frente.

Comentários

Cara, muito intrigante esse seu conto... Incrível as sequências de imagens que tu nos faz produzir com tanta naturalidade. Realmente vi o sujeito sentado em uma série de últimas vezes em um final sem desfecho, assim como a vida, um final que não tem final... Brilhante!!!!
Ah, adorei a pintura de Dali para ilustrar!!!
http://cronutopia.blogspot.com/
Cassionei Petry disse…
Esse conto estará no meu livro.

Mensagens populares deste blogue

"Eu te amo" ou sinal do Diabo?

Sobre “Amortalha”, de Matheus Arcaro