Avançar para o conteúdo principal

(IN)ATIVIDADE PARANORMAL


por Cassionei Niches Petry

Importante: este texto conta detalhes do filme. Recomendo assisti-lo antes (ou não).

Assisti ao filme “Atividade paranormal” cheio de expectativas. O boca a boca (ou o link a link) ajudou a divulgá-lo de uma forma impressionante. Todos os comentários de quem assistiu era de que causaria muito medo, e o trailer divulgado pela internet parecia comprovar.

No entanto, o filme do diretor estreante Oren Peli é decepcionante. Não só por não acontecer nada de tão espetacular, mas também porque carece da estrutura narrativa necessária para o desenvolvimento de um enredo. Não há sequer um clímax, pois a cena que pretende ser o ponto máximo da “narrativa” segue o mesmo nível de tensão da história toda, alto é verdade, e justamente é esse o defeito: algo vai acontecer, há pequenos sustos, porém, repito, não acontece nada de impressionante. O filme termina e pensamos: mas é só isso?

No início há um texto de agradecimento aos familiares dos protagonistas Katie e Micah (mesmos nomes dos atores na vida real) e à polícia que autorizaram o uso das filmagens, sugerindo, assim, que o filme fosse uma gravação caseira e real. Puro jogo de marketing, claro. (Dan Brown usa essa fórmula para iniciar seus livros, dizendo o que são fatos verdadeiros na trama.) Além disso, o texto já revela um fato que ficaríamos sabendo somente no final: ambos morrem. (A versão a que assisti tem o final original. Steven Spielberg sugeriu um novo desfecho, que é o que será visto nos cinemas. Esse final alternativo ficou pior ainda.)

Em seguida, passamos a ver o casal em sua casa nova. Micah leva sempre junto sua câmera, para que não se perdesse nenhuma coisa estranha que pudesse acontecer, isso porque Katie, desde a infância, ouvia ruídos estranhos em todas as casas em que morou. O rapaz, cético, resolve comprovar. Os eventos paranormais acontecem à noite, principalmente no quarto do casal, e eles deixam a câmera ligada para registrá-los.

Acordados, ouvem barulhos, ficam assustados, mas conseguem dormir tranquilamente. Depois que começam a chegar perto de desvendar o que seriam esses barulhos eles... voltam a dormir tranquilamente. Na noite seguinte, mesmo depois de a porta do quarto bater sem vento nenhum... eles voltam a dormir tranquilamente e continuam a deixar a porta aberta. Mesmo depois de espalharem talco no chão e depois verem as pegadas do espírito, mesmo depois de as gravações revelarem uma sombra cruzar na porta, mesmo depois de o espírito levantar o lençol da cama, mesmo depois de Katie ser arrastada e quase ser levada para o sótão... eles continuam dormindo tranquilamente, com a porta aberta e o lado onde Katie dorme na cama fica perto dessa porta! Se os personagens não têm tanto medo assim, como pode o espectador tê-lo?

Há outras falhas que comprometem o filme, como o aparecimento de uma personagem, amiga de Katie, que não acrescenta nada à história. Aconselho, porém, que o leitor assista e tire suas próprias conclusões. Afinal, essa é só minha opinião (e da minha esposa também, pois, como todo mundo recomendou, assisti ao filme acompanhado). Há quem diga que “Atividade paranormal” é o melhor filme de terror do ano e que Oren Peli é um gênio. Isso sim me dá medo.

Comentários

Marco Greis disse…
hahaha, verdade o seu comentário, o filme é entediante. Eu assisti sozinho e não me assustei nem um pouquinho. Será que tem algo de errado comigo?
Cassionei Petry disse…
Marco e Edinei, valeu por comentarem aqui.
Marco, aí nos EUA o filme está faturando bastante, pelo que li.
Eduardo disse…
aaaah, to louco pra assistir (só li a tua opiniao sobre o filme, pra nao perder a graça na hora de olhar).
Estou um pouco ancioso, adoraria tomar um sustinho, confesso.
Me lembro que quando assisti a Bruxa de Blair pela primeira vez (que eu considero um filme bem feito, cinefilamente falando), fiquei umas duas semanas com medo até de dormir haha.
Mas quando ao Atividade Paranormal, minha expectativa é grande.
Leandro Haupt disse…
To com vontade de ver esse filme, pelo trailer ja vi que não ia ser la grande coisa :|. Quando a preguiça ir embora eu vo olha :D
Manu Goulart disse…
Bah eu assisti ao trailer. Não achei graande coisa, mas estou com vontade de assisti-lo.
Como não me assusto com filme de terror, dúvido que esse me surpreenda. Kkkkkk
Cassionei Petry disse…
Valeu, Eduardo, Leandro e Manuelllla pelos comentários.
Salve, Cassioney. Demorei pra responder seu comentário no meu texto sobre o filme "efeito borboleta", mas tá lá.

Abraços
Cytherea disse…
concordo em partes com vc.
só achei que vc ficou preso a uma estrutura narrativa convencional demais.
como vc deve ter lido no meu blog, também não gostei do filme. talvez porque o gênero não me agrade.
mas nem me dei o trabalho de analisá-lo.
Cassionei Petry disse…
O filme tentou não ser convencional. Mas errou o tiro.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …