Avançar para o conteúdo principal

A Record do Reino de Deus e do Ateísmo

Já comentei algo semelhante nesse post, do qual reproduzo um trecho:

Isso me fez recordar do que ouvi em uma palestra há alguns anos, de um professor de linguística da Alemanha, na Semana Acadêmica de Letras da UNISC. Nos primeiros dias em que estava morando no Brasil, assistia à TV pela manhã bem cedo, quando começou um programa desses da Igreja Universal. Como tema de abertura, a música “Also sprach Zaratustra”, de Richard Strauss. Disse o palestrante: “ora, o que falou Zaratustra na obra de Nietzsche? –Deus está morto. Das duas, uma – ou os membros da IURD são ignorantes e usaram a música sem saber seu significado, ou realmente não é Deus quem é o exaltado nesta instituição.”

Mas fico surpreso (ou não, como diriam o Caetano e o Cléber Machado) com o espaço dado aos ateus na emissora. Dia desses, li que Dr. House, cujo seriado tem uma considerável audiência, é ateu. Hoje vi que no portal R7, pertencente ao grupo Record, há um espaço para os blogs de dois jornalistas ateus: André Forastieri e Marco Antônio Araújo. O primeiro escreveu o um texto interessante sobre Mitra e afirmou que Jesus não existiu. Claro que houve alguns que o criticaram por isso, poucos é verdade. Uma comentarista sugeriu até a demissão dele. Já Marco Antônio Araújo, cujo blog se chama O Provocador, se declara ateu já no perfil e ainda escreveu um post sobre isso.

Não sei se é uma maneira de dizer que a Record é democrática ou quer passar uma imagem de isenção religiosa. Mas me chamou bastante atenção isso.


Comentários

Potira disse…
Que coisa mais estranha!!!

=D
Carlos Arruda disse…
Tenho horror a IURD, mas acho muito salutar que a Record dê espaço a ateus. Revela que pelo menos a TV tem espírito democrático. Vale lembrar que recentes pesquisas apontaram que as minorias mais perseguidas atualmente não são homosexuais ou negros, mas sim ateus.
M disse…
"ou os membros da IURD são ignorantes e usaram a música sem saber seu significado, ou realmente não é Deus quem é o exaltado nesta instituição."
Cômico! HAHAHA
Cassionei Petry disse…
Obrigado a todos pelos comentários.

Carlos, a Record não só dá espaços a ateus como também a "ex"-atores pornôs.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …