Avançar para o conteúdo principal

Drauzio Varella fala sobre respeito aos ateus



"Não sou religioso. Respeito todas as crenças, mas os religiosos não têm nenhum respeito pelas pessoas sem fé. Quando digo que não tenho religião, acham que sou imoral. É como se eu tivesse parte com o diabo."
"Quando tinha 10 anos fiz a primeira comunhão. A professora de catecismo dizia que não pode morder a hóstia, porque um menino na França tinha mordido a hóstia e tinha saído sangue pela boca. Fiquei com aquilo na cabeça. Na primeira comunhão eu não tive coragem, mas, uma semana depois, um tio fez bodas de prata e teve uma missa. Aí fui lá receber a hóstia, voltei para o meu lugar e mastiguei. Não saiu nada e eu virei ateu naquele momento. A partir daí, sempre que ouvia as aulas de religião no colégio pensava que aquilo podia ser mentira. E quando você começa a fazer isso com religião é devastador, porque é uma questão de fé, religião não admite racionalidade."

Drauzio Varella

Comentários

Leandro Haupt disse…
Hahaha a prof contou a história da hóstia quando fiz minha 1 comunhão também, mas ela mesma disse que era brincadeira, na época eu ja tinha "duvidas" sobre a igreja, na verdade eu so fiz comunhão por causa da festa mesmo, a crisma então, nem fiz.

Aulas de ensino religioso não me recordo de ter alguma descente, na 8º série tive uma prof de religião que me "obrigou" a aceitar que eu era catolico, pois era batizado na igreja catolica.
Cassionei Petry disse…
Hehe, esse Leandro eu não conhecia.
Robson Duarte disse…
Não sou ateu mas, também, não acredito nesse deus bíblico à quem devemos ouvir e obedecer cegamente, acredito simplesmente que haja uma força maior mas isso já é conversa de horas.
A posição do Drauzio em relação à igreja é clara e aceitável porque, também, não dá pra entender como uma "empresa" que deve faturar algo em torno dos bilhões por ano e que prega o bem-estar humano não faz nada como uma instituição social ou algum tipo de doação para as pessoas que mais necessitam.

Um dia eu ainda vou ter um garfo de ouro!
Robson Duarte disse…
...só para deixar claro que ateu não é apenas um "não-católico" e sim uma pessoa que refuta qualquer idéia de um deus.
Andressa Duarte disse…
Virei ateia depois de uma aula de filosofia no 3° ano. Sai daquela aula pensando coisas que não tinha coragem de pensar e fui vendo tantas coisas que não faziam sentido. Lembro também quando contei isso a um amigo e ele me disse: Parabéns! Agora você é inteligente.
O problema das pessoas é não pararem para pensar de verdade... ficarem sempre limitadas. Não só no caso da religião... em tudo! Para mim ser atéia é mais confortante, pois me sinto mais livre e não tenho medo de ir para o inferno e ser um pecadora se não faço algo é por que acredito ser errado e não por que é pecado!
Também respeito todas as religiões e se para eles elas lhe trazem conforto, muito bem. Agora so quero que respeitem minha opinião.
vixi escrevi de mais ^^
Ótimo video!
Cassionei Petry disse…
Robson, não acreditar mais no deus da Bíblia já é meio caminho andado para ser ateu. Quando se diz que acredita em uma força superior, é ainda resquício de ume educação religiosa, muito difícil de se livrar.
Andressa, eu já não busco conforto, bem pelo contrário, até porque na nossa sociedade não é nada confortável ser ateu.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …