Avançar para o conteúdo principal

Mais sincronicidades

Escutei em um programa de rádio a seguinte notícia (aqui publicada num site de um jornal português):

Fumar na janela termina em hospício

O advogado Mark Moody nunca imaginou que ao sentar-se no parapeito da janela do seu apartamento, num bairro nova-iorquino, para fumar um cigarro e falar ao telemóvel pudesse dar tanta confusão.

De repente, a rua encheu-se de polícias e dois deles tentaram demovê-lo de ‘tentativa de suicídio’. De nada adiantou Moody negar: agentes invadiram o apartamento, algemaram-no e levaram--no para um hospital psiquiátrico, onde o erro foi descoberto...


Logo me lembrei do conto "Um discurso sobre o método", do livro A senhorita Simpson (Cia. das Letras), de Sérgio Sant'Anna. O enredo do conto é parecedíssimo: um limpador de vidraças resolve dar uma paradinha para fumar um cigarro e senta numa marquise do 18º andar. Logo depois, pessoas passam a observá-lo, pensando que ele quer se matar. O conto pouco tem de ação, mas a circunstância faz o trabalhador refletir sobre a vida e morte.

Mas as sincronicidades não param por aí. Ao ver a atualização dos blogs que sigo, me deparo com este post do blog Impostura, falando justamente sobre o conto. Vale a pena conferir o comentário que ele faz.

Comentários

Realmente, várias coincidências mesmo, Cassioney. A vida imitando a arte, como sempre.. Quanto ao conto, ele realmente aparenta não ter muita ação, mas se pensarmos que o pensamento do cara viaja léguas e léguas, teve até bastante movimento, não acha?
Enfim, é uma bela história, que mistura cotidiano, filosofia e literatura. O Sant'Anna é um dos meus preferidos.

Grande abraço
Ingrid Izumi Petry Kinukawa disse…
Cássio!

sincronicidades substituem o relógio.. a hora.. tudo que reflete no cosmos reluz nos nossos pesnamentos e assim, acontece as coincidências.. que mundo pequeno e universal.

Grande abraço

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …