Avançar para o conteúdo principal

Justificando a loucura

Salvador Dali

por Cassionei Niches Petry, o louco

Não entendo o que faz uma pessoa perder um tempo de sua vida para atacar outra sem nenhum motivo. É o que faz o anônimo aí no box, que intitulei de Fórum, pois queria que fosse um espaço de debate entre meus 6 ou 7 leitores. Sei que não há nenhum motivo pessoal, pois não sou inimigo de ninguém, apesar de alguns debates que andei participando no famigerado Orkut. Pelo tom de alguns textos recentes meus, acredito que é algum crente ofendidinho por eu atacar direta ou indiretamente o cristianismo. Vai saber.

Reitero. Não ganho nenhum dinheiro aqui no blog. Até tentei em duas oportunidades: com o Google AdSense e com a rede Submarino. No primeiro caso, eu até ia ganhar uns 10 dólares nos primeiros meses, já que meu fieis leitores estavam clicando nos anúncios. Mas depois recebi uma carta que dizia faltar não sei que trâmite para receber, aí desisti e não vi a cor do dinheiro. Com a rede Submarino, não chegou a entrar nada e também tinha algumas questões burocráticas das quais sempre fujo e logo tirei o patrocínio. Até entrei em sites que ensinam a ganhar dinheiro com o blog, mas precisa ter um perfil que não tenho. Então decidi: vou continuar com o objetivo que tive desde o princípio que é tão somente compartilhar o que escrevo com quem se dispõe a ler ou ao menos passar os olhos por cima. O único pagamento que quero é o comentário, positivo ou negativo, tanto faz.

Quanto à colaboração com a Gazeta do Sul, não recebo nada por isso. Colaboro desde 1996, quando tinha 17 anos e era estudante do Ensino Médio, sempre com o único objetivo de ser lido por mais pessoas. Em 2010, a colaboração se tornou sistemática porque estava escrevendo em mais quantidade e o Mauro Ulrich - meu editor desde 96 - me convidou para escrever de forma fixa, como colaborador. Só estou agora, depois de algum tempo, recebendo uma assinatura cortesia do jornal impresso. Portanto, não sou empregado da Gazeta, não recebo nada por isso.

Se escrevo aqui é por gostar de escrever, compartilhar ideias e ser lido. E também estou plantando uma semente que está produzindo leitores de todo o país e até do exterior, além do contato com escritores que passaram os olhos por este espaço: Moacyr Scliar (que me citou algumas vezes na sua coluna em Zero Hora e elogiou contos meus), Affonso Romanno de Santanna (que disse que meu blog é de utilidade pública pela organização dos links), Daniel Galera, Altar Martins (que fez uma leitura crítica competente de um conto meu), Antonio Cícero (poeta e letrista de músicas da Marina Lima, de quem é irmão), Leonardo Brasiliense (que segue meu blog), Rogério Skylab, Ricardo Soares, o titã Sérgio Britto (que achou legal meu blog, conforme está na caixa de comentários do seu site), Juremir Machado da Silva, Braulio Tavares (que mandou um livro autografado), Miguel Sanches Neto e Fernando Monteiro. Isso basta para justificar a existência desse blog?

Comentários

Dilsonlock disse…
Nem lembro como descobri o seu blog, mas fiquei muito entusiasmado, a ponto de postar frase sua em meu Orkut, e colocá-lo em minha barra de Favoritos. Creio que "críticas" como a do anônimo visam apenas destilar o veneno dos incapazes e limitados. Deixa quieto: "os cães ladram e a caravana passa."
Cassionei Petry disse…
Obrigado pelo comentário. Abraço.
FmcDLKZ disse…
esse negocio do paypal é que trava e tambem tem os ptc que a gente nunca ve a cor hehehe negocio é que isso não faz falta compartilhar informaçoes e pensamentos produtivos é bem mais gratificante
anna wester disse…
Oi prof, que saudades hein.
Muito bom o blog, parabéns, e quanto as críticas e ofensas, não dê a mínima atenção, quem realmente gosta do que você faz, e sabe realmente o que faz, não perderia tempo com uma crítica mal construídas. Abraços
Cassionei Petry disse…
Oi, Anna. É bom uma provocação de vez em quando. Mas ficar quieto jamais, ainda mais que ofendeu os seguidores do blog.
Abração.
Mirella disse…
Sem dúvidas que o indivíduo ficou frustrado por causa de algum texto. A falta de informação vem de quem supõe esses absurdos. E continue escrevendo!

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …