Avançar para o conteúdo principal

Ritos de final de ano


Mais um ano termina e outro se aproxima. Junto vem a necessidade inata do ser humano de comemorar, refletir e também de questionar: por que comemoramos o Natal e realizamos os rituais da virada?

O Natal é lembrado pelo nascimento de Cristo. Muito antes, no entanto, já existiam celebrações nesse período relacionadas a deuses de diferentes culturas e ao solstício de inverno no Hemisfério Norte, quando o sol renasce com força vencendo a noite mais longa. Na Roma antiga, por exemplo, a celebração era em honra a Saturno, deus da agricultura e da justiça. Já para os persas, o deus Mitra, que representava justamente a luz solar, também teria nascido nessa época e é celebrado (aliás, consta que há muitas semelhanças nas histórias relacionadas a esse deus antigo com os relatos que dão conta da vida de Jesus Cristo). Os chineses, por sua vez, chamavam esse período de dong zhi, que significa “a chegada do Inverno”. A Igreja Católica, séculos depois, adaptou ao cristianismo essas antigas celebrações, que passaram a ser consideradas pagãs.

É um momento, portanto, que pode ser celebrado independente de qualquer crença, por isso não se deve condenar quem não pensa apenas no nascimento de Cristo. Aliás, a figura simbólica do Papai Noel, distribuindo presentes e ensinando as crianças a obedecerem a seus pais, representa de forma mais neutra o Natal (apesar de sua origem cristã). Natal significa nascimento, não somente de um homem filho de um deus, mas da esperança de homens e mulheres que passaram por dificuldades durante o ano e querem buscar novas forças para o que está por vir. É o sol que renasce vencendo a noite mais longa e fria.

O Ano-Novo, por sua vez, já tem um caráter mais universal. Nenhuma religião quis ser dona dessa data. Há um ecumenismo significativo, que origina vários rituais e superstições interessantes, como o uso de roupas com determinadas cores para simbolizar as mudanças desejadas, comer lentilha e guardar as sementes na carteira para melhorar a vida financeira e não comer aves, para não deixar a felicidade voar para longe. Essa linguagem simbólica, realizada por diferentes pessoas com crenças diferentes, tem como objetivo atrair boas energias ou bons fluidos, de acordo com a nomenclatura dos místicos. Se funciona ou não, é crença de cada um. Acredito, porém, que não tem nada a ver com nenhuma força superior, mas sim a força interior que temos. Se estamos dispostos a construir um ano melhor do que o anterior, faremos com os ritos de passagem ou sem eles.

Esse período também é conhecido por réveillon, que em português significa "despertar". Mais uma vez a metáfora do nascimento aparece, sendo que um novo ano nasce e temos que nos renovar. É bom lembrar que o primeiro mês do ano é janeiro, cujo nome é uma homenagem ao deus romano Jano, porteiro dos céus, sempre representado com duas faces, uma olhando para frente, o futuro, outra olhando para trás, o passado. Assim como Jano, não podemos esquecer o ano que passou. Temos que avaliar tanto os acertos, para repeti-los ou melhor, aprimorá-los , quanto os erros, para não voltar a cometê-los. Como escreveu o filósofo alemão Nietzsche em seu livro Aurora título que remete à claridade no horizonte anunciando o nascer do sol , devemos ir além do caminho já percorrido, pois “outros pássaros voarão mais longe!”.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …