Avançar para o conteúdo principal

Enquanto isso, na novela das 9...


Colega de cela: TÁ LENDO O QUE NORMA?

Glória Pires: AH, UM LIVRO DE UM ESCRITOR RUSSO, DOSTOIÉVSKI, PEGUEI NA BIBLIOTECA.

Colega de cela: HISTÓRIA DE CRIME, É? É TIPO ASSIM: “QUEM MATOU DAS NOVELAS?”

Glória Pires: NÃO, É UM LIVRO ATÉ DIFÍCIL, SABE, MAS EU PRECISO ME PREPARAR, PRECISO ENTENDER MAIS SOBRE A VIDA, PRECISO ESTAR PREPARADA PRA QUANDO EU SAIR DAQUI. E QUEM LÊ APRENDE, MINHA FILHA...

Fonte: site da L&PM.

Comentários

"Quem lê aprende, minha filha..."

É...
Tom disse…
Buenas, professor! Tive aula de Penal, ontem, e essa realidade foi retratada. A realidade dos "apenados/re-educandos"... Ainda assim, detesto novela.

Veja só, a Juliana comentando aqui também! Estou trazendo o pessoal da comunidade Comensais BPH para cá, através do meu Diário... Mas que barbaridade!
Cassionei Petry disse…
Imaginei que fosse dos comensais... Valeu.

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

Escrevo no Amálgama sobre "A montanha mágica"