Avançar para o conteúdo principal

Preconceito contra os ateus - bastidores


Tive a felicidade hoje de ser entrevistado para um documentário produzido por dois alunos da Unisc, o Fábio Goulart e a Carine Immig. O trabalho fala sobre o preconceito contra os ateus, sendo que o teaser já foi divulgado pela internet, com uma boa repercussão. Fico na expectativa do que os moradores da minha cidade – cujo nome, ironicamente, é Santa Cruz do Sul – falarão sobre o documentário, se ele não for ignorado, claro.

Interessante alguns fatos dos bastidores. Quando a Carine e o Fábio chegaram, brinquei que deus estava colaborando com o projeto, afinal o dia estava muito bonito e iríamos filmar ao ar livre. Acontece que tivemos dificuldades para achar um lugar que não ficasse nem muito claro nem muito escuro. Uma hora as nuvens cobriam o sol, outra hora o astro-rei – por sinal um dos primeiros deuses dos povos antigos – despontava forte. E eu, como sempre, suando muito. Quase no final da gravação, uma garoazinha para incomodar e salpicar meus óculos. Brincamos depois foram sinais dos céus pelo que estávamos fazendo! Nesse meio tempo, uns adolescentes começaram a brigar perto de onde estávamos, deu um pequeno tumulto, mas eu fiquei firme falando.

Outro fato curioso da gravação: me sentei na frente de uma estátua de um antigo bispo da cidade e, às minhas costas, estava a catedral São João Batista, considerada a maior em estilo gótico da América Latina. De repente, aparece um senhor e faz um sinal da cruz na frente da estátua. Segundo a Bíblia, não se deve adorar esculturas, não é verdade?

Enfim, quando sair um próximo teaser ou o próprio documentário, divulgo por aqui. É bom lembrar que estarei ao lado de nomes de peso como Eli Vieira, Åsa Heuser e Pablo Villaça. Só espero ter ido bem, pois sou ruim na fala, salvo na sala de aula, claro.

Comentários

@VanaAlemoa disse…
Sou agnóstica e não atéia, mas antes de tudo respeito a todos. Bela iniciativa para defender a pluralidade de crenças.
Cara – já falei outro dia – adoro os textos que publica na Gazeta, o de Sartre foi espetácular! Enfim, também sou ateu, pois acredito que para poder se pensar com liberdade não podemos ter limites. O Datena é um idiota, não sabe o que fala. se quer encontrar 110% de cristãos em um único espaço é só visitar um presídio. Nunca se verá um ateu matando gente ou causando algum tipo de dano a outrem, contudo a "massa" da hipocrisia divina ainda impera, infelizmente.
Outro dia fui em uma reunião na escola de minha filha e um "papa hóstias" deu uma palestra podre que começou com parábloas estranbólica de Jesus e acabou assim: "Se olharem novelas com seus filhos e virem dois rapazes ou duas moças de 'namoriscos' homossexuais, digam a ela que isso é errado e que deus fez a mulher para o homem e vive-versa..." Percebe a minha indignação? Homofóbia na escola, esses são os cristão...
Espero que sua entrevista desperte os demais!!! Abraço!!!
http://cronutopia.blogspot.com/
Roseane disse…
Mais uma vez o Datena, esse jornalista tão "ético" falando asneiras na televisão. Desde quando ser ateu significa ser um criminoso? Não sei se ele lembra, mas alguns dos grandes crimes cometidos na humanidade, foram praticados por homens "de fé".
Cassionei Petry disse…
Dilso,obrigado mais uma vez. Quanto à palestra, é só mais uma das lavagens cerebrais que eles fazem.

Roseane, obrigado pelo comentário.
Roberto C. Belli disse…
Postei no meu blog e fiz referência ao seu, Cassionei. Ultimamente ando desaparecido, mas é o tabalho. Abraços.
Gelso Job disse…
Cassionei, dê uma olhada neste link do blog do Idelber Avelar, outro ateu convicto. Acho que irás gostar:
http://www.idelberavelar.com/archives/2009/07/ateus_saiam_do_armario_ateismo_e_falsas_simetrias.php
Cassionei Petry disse…
Já conhecia e até participei do debate que aconteceu nos comentários, se você der uma procurada vai achar. Mesmo assim, valeu.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …