Diário de um fracasso anunciado: as angústias da criação (III)


 "Martinique", foto de André Kertész

04/01/12
Entre as angústias da criação, está a angústia da influência. É o título, aliás, de um livro de Harold Bloom. As influências perseguem o escritor. Às vezes é o escritor que as persegue. A sombra sobre mim agora é a de Enrique Vila-Matas, o que lembra a capa do seu livro de contos Exploradores del abismo, ilustrada com uma foto de André Kertész.
Na contracapa do volume editado pela Anagrama, de Barcelona, lê-se que, quando perguntado sobre o que estava escrevendo depois da publicação de Doctor Pasavento, Vila-Matas respondeu: “Escribo el título de un libro”. A partir do título, que tinha a ver com a sensação de estar com um abismo a sua frente depois de terminar seu romance, o escritor catalão começou a escrever os relatos, sempre relacionados ao tema.
Meu romance também começou com um título, citado entre as obras de um personagem que é escritor em um dos contos do meu livro ainda inédito. Escritor que escreveu inclusive um livro de contos cujo título é o mesmo do livro que eu escrevi e também de um livro infanto cujo título é o mesmo do que eu escrevi. Qualquer semelhança com Vila-Matas não é um mero acidente de percurso.
Falando em semelhanças e sincronias, a foto de Kertész também foi usada na capa de um livro de outra das minhas influências. Trata-se de Deixe o quarto com está, de Amílcar Bettega Barbosa, editado pela Companhia das Letras. Escrevi sobre a obra aqui.
Como pode perceber, caro diário, a literatura é “um jardim de caminhos que se bifurcam”, só para citar outra influência, esta não tão grande assim.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Eu te amo" ou sinal do Diabo?

Sobre “Amortalha”, de Matheus Arcaro