Avançar para o conteúdo principal

Diário de um fracasso anunciado: as angústias da criação (IV)


19/01/2012

Há uma pilha de livros sobre criação literária ao meu lado. Depois de escrever os dois últimos artigos, ou melhor, ensaios para disciplinas do mestrado, agora é mergulhar na dissertação e no romance. Para quem está lendo meu blog pela primeira vez, meu estudo será sobre o processo de criação da narrativa longa que estou escrevendo, e isso envolve a leitura de textos sobre o assunto. Mas como esse diário é sobre o possível fracasso que será meu livro, vou falar sobre outros dois fracassos anunciados.

Tenho prontos dois livros para serem publicados. Prontos é força de expressão, porque estou sempre tentando melhorar alguma coisa neles. Um é de contos, um projeto antigo, e que está nas mãos de uma editora aqui da cidade. Iria sair no início do ano passado, depois passou para o final do ano e agora, talvez, saia em 2012. Esse já é um fracasso antes de ser publicado. Confesso que, como sempre, as esperanças são poucas, mas é o livro que está mais próximo de sair da gaveta.

O outro é uma narrativa infantil, já negado por uma grande editora. Fracasso na primeira tentativa ousada. O projeto surgiu a partir de um conto do livro anterior, que foi ampliado. Talvez ainda mande para um concurso recente que teve as inscrições prorrogadas. O prêmio é a publicação e um adiantamento de 30 mil reais. Aliás, devido à produção dos ensaios, perdi o primeiro prazo. Seria um bom sinal a prorrogação? Como diria o grande filósofo contemporâneo, mago, imortal e escritor podre de rico Paul Rabbit, o universo conspira sempre a nosso favor. Se passar no concurso, prometo que lerei pelo menos um livro inteiro do parceiro do Raul Seixas. Farei esse esforço. Juro por... ah, deixa pra lá.

Sobre o romance, posso dizer que os leitores do blog já leram partes dele sem o saber. Com certeza haverá uma dedicatória aos leitores mais constantes, principalmente aqueles que comentam. Isso, claro, se o livro um dia for publicado.

Comentários

Cassionei, esses dias adicionei você no twitter e encontrei as suas postagens. Parabéns pelo blog! Já adicionei entre os meus, e lerei com freqüência... estamos aí, procurando encontrar o "fazer" literário. Não desista dos projetos! grande abraço.
Cassionei Petry disse…
Opa, obrigado. Também lerei o seu. Abraço.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …