Avançar para o conteúdo principal

Lugar para escrever

Vila-Matas no seu "rincón"

“Os cadernos de capa azul, os dois lápis, o apontador de lápis (com o canivete desperdiçaria muito), as mesas com seus tampos de mármore, o perfume das primeiras horas da manhã, apagar aqui, corrigir ali, mais um bocado de sorte - eis tudo o que era necessário.”
Isso era o essencial para Hemingway no seu ritual de escrita, segundo relata em Paris era uma festa, suas memórias do início de carreira, quando foi viver na capital francesa. Reli o livro antes de mergulhar em Paris no se acaba nunca, de Enrique Vila-Matas, que narra a tentativa do escritor catalão de imitar seu ídolo literário.
No meu caso, sinto a falta da minha biblioteca, que ainda não foi montada aqui na casa nova – estou apenas aguardando o meu pai instalar a porta da garagem onde ela terá seu espaço –, e o meu computador. Não é que não goste do notebook, mas estava acostumado com meu PC, minha escrivaninha, as duas estantes de livros atrás de mim e as revistas e os papéis espalhados por todo o lado. Sem contar que é desagradável escrever na mesa entre a cozinha e a sala e com a TV geralmente ligada.
Por coincidência, meu ideal de ambiente e condições de escrita são parecidos com a de Vila-Matas, meu ídolo literário do momento. Sem esquecer, claro, a generosa xícara de café.

Comentários

Minha única necessidade na escrita e na leitura é a ausência da voz humana. A barulheira da rua me lembra que estou dentro do mundo, a gritaria lá fora me confirma de que tudo é "cá dentro". Mas ponha alguém falando perto de mim e eu me desconcentro e me conserto, esquecendo tudo...
Cassionei Petry disse…
Isso também acontece comigo. Outra coisa é som alto, e eu estou com azar nesse sentido: tenho vizinhos barulhentos.
Abraço e obrigado pelo comentário.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …