Avançar para o conteúdo principal

33, Vênus e Sexta-Feira da Paixão


 O nascimento de Vênus, de William-Adolphe Bouguereau

Camisa de vênus, monte de vênus, doença venérea, afrodisíaco. Palavras como estas, relacionadas à relação sexual, se originaram de uma deusa: Vênus para os romanos, Afrodite, para os gregos, deusa da beleza, do amor e da sexualidade. O sexto dia da semana ganha o nome de “viernes”, em espanhol, e “venerdi”, em italiano, porque é o dia dedicado a ela. Em inglês, “friday”, é o dia de Frigga, deusa nórdica, esposa de Odin e mãe de Thor, ela também uma divindade relacionada ao amor e à fertilidade. “Freytag”, em alemão, é em homenagem a outra deusa nórdica, Freya, divindade da luxúria. Reparem, ainda, que sexta contém a palavra “sex”. Este dia, portanto, é dedicado ao sexo, ao amor, às paixões e, claro, dia de apreciar os prazeres da carne.
Há alguns que pensam de forma diferente e preferem se distanciar destes prazeres. É o caso dos cristãos, grupo do qual fui membro durante anos. Hoje não podem (ou não deveriam) comer carne, beber, trabalhar (regra esta quebrada por alguns patrõe$), ouvir música e, logicamente, fazer sexo.
Lembro-me das proibições que eu sofria quando era criança. Não podia correr, brincar, assistir à televisão, etc. Se eu descumpria as regras, me sentia muito culpado. Certa vez, já anoitecendo, vi o rosto de Cristo nas nuvens, enquanto jogava bola com os amigos. Ajoelhei-me e pedi perdão, pois vi ali um sinal de que estava fazendo algo errado. Só anos depois vim a saber o que era pareidolia.
Isto tudo porque o filho de Deus deu sua vida para curar os pecados do mundo. Ou seja, o cristianismo é uma religião fundada em função de um suicida e que tem como símbolo um instrumento de tortura, a cruz. Imagino se ele tivesse sido enforcado: veríamos milhões de pessoas ostentando uma forca no pescoço!
Coincidentemente, 33 era a idade de Cristo quando se suicidou. 3+3=6, mais 6ª feira, mais dia 6. 666, o número do Anticristo.

Comentários

Djalmir disse…
Mas não foi suicidio.
Cassionei Petry disse…
Se não foi suicídio, ele não tinha poder nenhum.
Djalmir disse…
Sim, Ele não tinha poder nenhum, isso é verdade.
Cassionei Petry disse…
Então não era Deus, como apregoam.
Anónimo disse…
Ele disse que era Deus... O Deus do antigo testamento. Disse, "EU SOU e se vocês não acreditarem, vão morrer nos próprios pecados." Com isso Ele assinou sua sentença de morte.
Cassionei Petry disse…
Se ele é Deus, Deus então não tem poder.
Djalmir disse…
Se morte não for game over e sim mudança de fase, a gente vai saber. Não tem outro jeito. É tudo muito indefinido...
Cassionei Petry disse…
É isso o que mantém viva a religião. Somente isso. Mas o que nos faz ser diferente de uma planta?
Djalmir disse…
A planta não dá pernada, não vai a luta, não tem preocupação, não sente culpa, remorso, medo e o melhor: não quer saber de onde vem, porque está aqui e nem para onde vai. Ninguém quer ser uma planta.
Cassionei Petry disse…
Ela tem vida, como todos nós. Simples. O que tu estás dizendo é que temos simplesmente desejo de saber que há algo além.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …