Textículos (X)


Nas capas de todos os jornais a foto do goleador do time. O herói. O grande responsável pelo título inédito do clube. Na final, dois gols, vitória de virada. Um craque. Próxima parada, seleção brasileira.
Lê os jornais na cama enquanto almoça. Acordou há pouco, pois a festa do título foi até altas horas. Sua mulher está feliz. Seus filhos, recém-vindos da escola, comentam que foram o centro das atenções e receberam muitos cumprimentos. Ele também não deveria estar feliz?
“Marcão recebeu o passe da direita e marcou um golaço, empatando a partida. Na segunda etapa, de cabeça, selou a vitória.” É o que dizem as matérias de quase todos os jornais do país.
Sim, mas quem fez o passe preciso nos pés do atacante? E a bola voou sozinha para o Marcão dar a cabeçada?
Às vezes, não nos contentamos em ser apenas escada.

Comentários

Vaguinho, do Corinthians, chutou uma bola na trave naquela final memorável contra a Ponte-Preta no Paulista de 1977. Ninguém lembra dele, pois logo após Basílio empurrou a bola pra rede. Esse sim, é lembrado até hoje. Abs
Cassionei Petry disse…
E tantos outros...
E o goleiro, então? Havia pensado, no início, num goleiro.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Uma resenha que não aconteceu