Avançar para o conteúdo principal

Repostagem atualizada: Versões da "Última ceia"

Da Vinci
 
Cena do filme "História do mundo: parte 1", de Mel Brooks
 
Cena do filme "Veridiana", de Buñuel, a polêmica Ceia dos Mendigos



Salvador Dalí

"Em qual das ceias eu me sentiria bem?", me pergunto. A clássica do Da Vinci faz parte das minhas lembranças de infância, pois sua reprodução pairava sobre a mesa da cozinha lá de casa. Aliás, um enorme quadro, que nem imaginava quem tinha pintado. Mas não seria nessa mesa que me sentaria. Muito sóbria para o meu gosto.

A do meu Mel Brooks é engraçada. Na cena do filme o personagem dele está trabalhando de garçom e vai atender na sala onde Da Vinci está pintando a ceia real, ou tirando uma foto, não lembro, e ele entra de penetra. Só assistindo ao filme para entender. Mas não seria nessa.

Nas dos super-heróis? Não sei, uma delas, inclusive, traz o Capitão América como Cristo, ou seja, os EUA como o centro de todas as decisões do mundo. Na outra, a Mulher Maravilha faz o papel de João (ou seria de Maria Madalena). Também não seria nessas.

Na dos mendigos do filme do Buñuel? Jamais. Os mendigos desse filme eram ingratos e desprezíveis.

A versão que utiliza várias pinturas é bem interessante, olha onde está a Vênus de Botticelli...

Sou fã do Dalí, mas essa versão ficou muito mística para meu gosto.

Ah, eu sabia! Dirá meu único leitor! A ceia do Homer Simpson seria a escolhida! Engana-se. Não gosto nenhum pouco desse tipo de ambiente e estou bebendo pouquíssimo.

Quem sabe no meio desse povo aí?
 

Comentários

Jopz_B1B disse…
KURTI e indico mais uma nesse link...

http://b1brasil.blogspot.com.br/2012/04/santa-ceia-do-rock.html

JOPZ

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …