Avançar para o conteúdo principal

Troço complicado


Escrever um romance é um troço complicado. Escrever um projeto de pesquisa para a dissertação é um troço complicado. Escrever uma dissertação é um troço complicado. Escrever um romance, um projeto de pesquisa e uma dissertação juntos é mais complicado ainda. Nos últimos dias, tentando cumprir uma meta de número de páginas para o andamento tranquilo dos trabalhos, escrevi muito e dediquei boa parte do meu tempo livre para o projeto. No entanto, nesse meio tempo, continuei lecionando no ensino médio e preparando as aulas e continuei estagiando na graduação e preparando as aulas. Como se não bastasse, sou convocado durante todo este mês como jurado no tribunal do júri, julgando tentativas de homicídio. Mais ainda, no último domingo, prestei concurso para professor do estado, já que tenho apenas contrato. E ainda tenho que ler, ler muito.
Antes que me perguntem: sim, tenho família, uma esposa e uma filha que também querem atenção. Sorte a minha que não tenho mais nenhum leitor no blog, nem para perguntar isso, nem para sentir minha falta por aqui.
E sim, estou vivo ainda, não cometi suicídio, só escrevo sobre esse outro troço complicado.

Comentários

Flauzino disse…
...e aposto que você adora tudo isto.
Barata Cichetto disse…
É, Cassinei.. Nossas labutas, filhadasputas... Mas não exagere quanto a falta de leitores em seu blog... Ainda existem... Mas de forma geral esse problema não é apenas contigo, não... As redes sociais roubam todo o tempo das pessoas, são egoistas e vaidosas elas... E depois as pessoas não tem tempo de mais nada. Abraço.
Aninha disse…
Sei como te sentes, amigo. Esse roteiro de atividades encaixa-se perfeitamente na minha rotina também. Com a diferença - que deve ser significativa - de que na minha família ainda não há filhos. Espero que ainda, num futuro não tão distante, nos sobre um tempo para tomar um mate aqui em casa!
Abração!
Aninha disse…
Ah, e também não fui chamada para ser jurada de homicídios! Puxa vida, Cassionei!
Cassionei Petry disse…
E o pior é que não passei na prova do Magistério.
Quanto ao chima, podíamos marcar uma orientação juntos com o Norberto na tua casa, só assim, já que ambos temos ele como orientador, hehe.
Anónimo disse…
Boa ideia Cassionei! Mas o Norberto tem outras exigências para fazer orientação em domicílio. Ele vai querer um carreteiro, uma sopa, vinho... Quais são teu horários para orientação "estendida"?
Bah, lamento não teres passado. Mas certamente passarás em outros mais significativos!
Aninha
Jorcenita disse…
"Troço complicado" tudo isso aí. Só não é tão complicado às vezes zapear por aqui.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …