Avançar para o conteúdo principal

Desfazendo frases feitas (ou Provérbios adaptados aos novos tempos)

(Até provarem o contrário, essas frases foram criações minhas, fruto de uma mente que deveria estar escrevendo seu trabalho para o mestrado agora. Se forem reproduzir, não custa dar a fonte - no bom sentido, é claro.)



Em casa de ferreiro, até o cabo do espeto é de ferro.
Deus ajuda quem cedo madruga? Então está provado que ele não existe.
De onde menos se espera, aí é que sai alguma coisa.
Quem não tem cão não caça nem com gato porque é proibido.
A cavalo dado não se olha apenas os dentes, como também o pelo, a ferradura...
Um por todos, todos fogem depois.
Águas passadas já moveram muitos moinhos.
A pressa é a amiga do poste mais próximo.
Água mole em pedra dura se resolve fechando a torneira.
A mentira tem pernas bonitas e encantadoras.
Mulher de amigo meu é amiga da minha mulher.
Antes só, hoje mal-acompanhado.
As paredes têm ouvidos quase sempre sujos.
A união se faz à força.
A fruta sempre cai em cima do meu pé.
Cabeça vazia é oficina do Paulo Coelho.
Cada um por si, Deus contra todos.
Cada macaco quebra o seu próprio galho.
Caiu na rede é pra fazer download.
Custa os olhos, o nariz e a boca da cara.
Depois da tempestade vem a sujeira pra limpar.
Deus dá o calor e o homem o ventilador.
Dinheiro na mão é alucinação.
Devagar se vai ao longe do que se quer alcançar.
Diz-me se lês literatura, que eu te direi quem és.
Dois é bom, três é pecado.
Duas cabeças pensam melhor que uma, mas continuam não fazendo nada.
É dando que mais te pedem.
É dos carecas que as moscas gostam mais.
Em briga de marido e mulher alguém já meteu... a colher.
Não adianta chorar sobre a cerveja derramada.
Nunca diga: desta cerveja não beberei. Depois do primeiro engradado, qualquer marca serve.
O amor é ego.
Tal pai, tal filho, disse a mãe quando viu sua futura nora.
A voz do povo é a voz de Deus, disse o político corrupto recém-eleito.
Parem o mundo que eu quero subir!
Antes à tarde do que de manhã cedo.
Um dia é da caça, o outro também. E mais o outro e o outro...
Roupa suja se lava na lavanderia, mas por favor, sem marcas de freio na cueca!
Quem ri por último, ri pra não perder o amigo.
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …