Avançar para o conteúdo principal

Desfazendo frases feitas (ou Provérbios adaptados aos novos tempos)

(Até provarem o contrário, essas frases foram criações minhas, fruto de uma mente que deveria estar escrevendo seu trabalho para o mestrado agora. Se forem reproduzir, não custa dar a fonte - no bom sentido, é claro.)



Em casa de ferreiro, até o cabo do espeto é de ferro.
Deus ajuda quem cedo madruga? Então está provado que ele não existe.
De onde menos se espera, aí é que sai alguma coisa.
Quem não tem cão não caça nem com gato porque é proibido.
A cavalo dado não se olha apenas os dentes, como também o pelo, a ferradura...
Um por todos, todos fogem depois.
Águas passadas já moveram muitos moinhos.
A pressa é a amiga do poste mais próximo.
Água mole em pedra dura se resolve fechando a torneira.
A mentira tem pernas bonitas e encantadoras.
Mulher de amigo meu é amiga da minha mulher.
Antes só, hoje mal-acompanhado.
As paredes têm ouvidos quase sempre sujos.
A união se faz à força.
A fruta sempre cai em cima do meu pé.
Cabeça vazia é oficina do Paulo Coelho.
Cada um por si, Deus contra todos.
Cada macaco quebra o seu próprio galho.
Caiu na rede é pra fazer download.
Custa os olhos, o nariz e a boca da cara.
Depois da tempestade vem a sujeira pra limpar.
Deus dá o calor e o homem o ventilador.
Dinheiro na mão é alucinação.
Devagar se vai ao longe do que se quer alcançar.
Diz-me se lês literatura, que eu te direi quem és.
Dois é bom, três é pecado.
Duas cabeças pensam melhor que uma, mas continuam não fazendo nada.
É dando que mais te pedem.
É dos carecas que as moscas gostam mais.
Em briga de marido e mulher alguém já meteu... a colher.
Não adianta chorar sobre a cerveja derramada.
Nunca diga: desta cerveja não beberei. Depois do primeiro engradado, qualquer marca serve.
O amor é ego.
Tal pai, tal filho, disse a mãe quando viu sua futura nora.
A voz do povo é a voz de Deus, disse o político corrupto recém-eleito.
Parem o mundo que eu quero subir!
Antes à tarde do que de manhã cedo.
Um dia é da caça, o outro também. E mais o outro e o outro...
Roupa suja se lava na lavanderia, mas por favor, sem marcas de freio na cueca!
Quem ri por último, ri pra não perder o amigo.
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…