Avançar para o conteúdo principal

No Traçando Livros de hoje, Paulo Roberto Pires


Na minha colaboração quinzenal com o jornal Gazeta do Sul, no caderno Mix, escrevo sobre o romance Se um de nós dois morrer, de Paulo Roberto Pires: http://www.gaz.com.br/gazetadosul/noticia/379401-do_escritor_como_personagem/edicao:2012-11-21.html


Do escritor como personagem


     É o tipo de narrativa que gostaria de escrever. São fragmentos de cartas, e-mails, anotações e conferências de um escritor sobre seu fracasso na tentativa de produzir o segundo livro. Um romance em que a linearidade cede espaço às idas e voltas no tempo, num jogo literário em que o leitor é desafiado pelo escritor. São 117 páginas intensas, que tem a literatura como tema principal. A premiação é a presença do mestre Enrique Vila-Matas, o catalão autor do recente Ar de Dylan, como personagem. Os que sofrem do “Mal de Montano” agradecem. 
     Se um de nós dois morrer (Editora Alfaguara) é o segundo romance do editor e crítico Paulo Roberto Pires, depois de 11 anos do primeiro. Não fosse pela morte do protagonista, revelada já no início do enredo, poderíamos interpretá-la como uma ficção baseada na vida do autor.
    A história inicia quando Sofia encontra um envelope deixado pelo seu ex-companheiro Théo, recém-falecido, provavelmente por suicídio, dando instruções sobre o destino de suas cinzas. Depois de levá-las para jogar perto de túmulos de escritores famosos no Cemitério Montparnasse, em Paris, volta ao Brasil e encontra outro material deixado por ele, desta vez uma pasta contendo vários escritos e a orientação de ser entregue a Vila-Matas. “O que escrevi interessa antes de mais nada a mim e, talvez, quem sabe, a Enrique, colecionador que é de esquisitices literárias.” São essas anotações diversas, vila-matianas por excelência, o que atraem os aficcionados por literatura e podem, claro, afastar aqueles que desejam uma história de fácil digestão.
     No capítulo “O inventário da pasta”, temos o que poderia ter sido o segundo romance de Théo, mas não foi. Escritos em cadernos Moleskines, blocos, livretos e folhas soltas, os fragmentos são tudo o que restou daquilo que Théo tentou criar depois da primeira obra, na verdade a transposição para o papel de suas angústias e decepções. “Pois escrever, como o senhor bem sabe, pode ser nada mais do que um sofrimento”, afirma Théo em uma carta a seu editor. Na parte final, Sofia vai à FLIP, a festa literária da cidade de Paraty, à procura de Vila-Matas, para cumprir o último desejo do ex-namorado.
   Alguns críticos vêm tecendo comentários nada amistosos sobre escritores que realizam um tipo de literatura que se volta para a própria literatura, denominada metaficção. Propõem uma temática mais variada por parte dos autores, pois consideram que essa escrita autorreferente está se desgastando. Na verdade, Vila-Matas, Paulo Roberto Pires (que também é jornalista) e cia. escrevem não só para os seus pares, mas também para os leitores que gostam de tudo que se refere ao mundo literário. É uma possibilidade de tema que traz consigo uma infinidade de outros, afinal, o escritor, como personagem, é tão humano como os demais.
    Cassionei Niches Petry é professor, mestrando em Letras e escritor. Lançou seu primeiro livro, Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco), com alguns contos metaficcionais. Escreve quinzenalmente para o Mix e mantém o blog cassionei.blogspot.com.
 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …