Avançar para o conteúdo principal

DFW no Traçando livros de hoje

Na minha colaboração quinzenal com o jornal Gazeta do Sul, no caderno Mix, escrevo sobre David Foster Wallace: http://www.gaz.com.br/gazetadosul/noticia/377279-o_que_cabe_numa_nota_de_rodape/edicao:2012-11-07.html


O que cabe numa roda de rodapé?

Cassionei Niches Petry*



David Foster Wallace nasceu em 1962, há 50 anos portanto, e morreu em 2008, ao se enforcar na garagem onde escrevia seus livros. Foi um dos grandes nomes da literatura contemporânea nos Estados Unidos e só agora começa a ser reconhecido no Brasil, pois se tornou um escritor cult1 em todo o mundo após sua morte, assim como aconteceu com o chileno Roberto Bolaño2

DFW3 fez por merecer o reconhecimento. O romance Infinite Jest, publicado em 19964, é considerado tão bom como Ulysses, de James Joyce. Seus contos, reunidos em volumes como Breves entrevistas com homens hediondos, único livro lançado por estas bandas, são exemplares de sua obra experimental. Metalinguagem, jargões acadêmicos, criação de palavras, ironia, humor negro, enunciados enormes e grande quantidade de notas de rodapé5, características do autor apontadas pela crítica6, estão presentes no segundo livro lançado entre nós

Os ensaios, discurso de formatura e palestras reunidos em Ficando longe do fato de já estar meio que longe de tudo (Companhia das Letras, tradução de Daniel Galera e Daniel Pellizzari) mostra as investidas de David Foster Wallace na não ficção. O autor, convidado por algumas publicações jornalísticas a tecer suas impressões sobre diferentes eventos, reflete filosófica e literariamente sobre um cruzeiro pelo Caribe, um jogo de tênis entre Roger Federer e Rafael Nadal, uma feira agrícola no estado de Ilinois e outra gastronômica no Maine. Nesta última, questiona sobre o sofrimento das lagostas, fervidas ainda vivas para serem comidas: “A lagosta, em outras palavras, se comporta mais ou menos como nos comportaríamos vocês e eu mesmo se nos jogassem em água fervida (com a exceção óbvia de gritar).”

No texto “Alguns comentários sobre a graça de Kafka dos quais provavelmente não se omitiu o bastante”7, Wallace faz uma palestra a respeito do humor do autor de A metamorfose8. Seu texto mais famoso, no entanto, é um discurso para a formatura do Kenyon College, intitulado “Isto é água”. Espécie de texto de autoajuda, misturada com as tiradas irônicas características de DFW, é uma excelente peça literária. Seu início se assemelha a uma fábula: “Dois peixinhos estão nadando juntos e cruzam com um peixe mais velho, nadando em sentido contrário. Ele os cumprimenta e diz: ‘Bom dia, meninos. Como está a água?’ Os dois peixinhos nadam mais um pouco, até que um deles olha para o outro e pergunta: ‘Água? Que diabo é isso?’”

Tudo para dizer que “a realidade mais óbvia, ubíqua e vital costuma ser a mais difícil de ser reconhecida”, e que devemos ter “consciência de que o real e o essencial estão escondidos na obviedade ao nosso redor”. Ou seja, a velha história de que o indivíduo deve ser menos egocêntrico, para não “chegar aos 30 anos, ou talvez aos 50, sem querer dar um tiro na própria cabeça”. É preciso repetir que ele se enforcou aos 46 anos? 

Ironicamente, não seguiu seu próprio conselho e pensou que não precisava mais dos seus medicamentos antidepressivos. Na verdade, seu discurso era um alerta aos alunos que o ouviam para não fazer o que ele fazia. No livro da vida, além do texto principal, também devemos ler as notas de rodapé.


¹ É como se denomina o escritor que é adorado por seus leitores, considerado sagrado, venerado, quase um deus, consequentemente com todos os defeitos que os deuses têm nas mitologias. Desse autor “os leitores não querem perder nenhuma folha solta, leitores que o seguem em tudo que faz”, segundo o espanhol Enrique Vila-Matas, outro escritor cult.
² Escritor chileno, autor de Os detetives selvagens e 2666, morreu de problemas hepáticos.
³ Sigla pela qual é chamado por seus adoradores, o que nos leva a crer que logo vão querer dividir a literatura em antes e depois de DFW.
4 Com suas mais de mil páginas que estão sendo traduzidas por Caetano Galindo.
5A nota de rodapé é um recurso que serve para explicar, comentar ou acrescentar algo ao texto. Muito utilizado em textos acadêmicos. Costuma não ser lido pela maioria dos leitores. Na obra de DFW, a passagem mais interessante pode estar numa nota de rodapé.
6 “É tão moderno que parece habitar um contínuo tempo-espaço diferente do nosso. Maldito seja”, disse sobre DFW a escritora Zadie Smith. 
7 Assim como esse, quase todos os ensaios têm títulos quilométricos, como o que dá título ao livro.
8 A história de Gregor Samsa, que acordou certa manhã e se viu transformado num inseto, o que inspirou uma banda brasileira dos anos 80 a criar uma obra-prima do pop rock brazuca: “Uma barata chamada Kafka”. Está bem, não é tão obra-prima assim, estou exagerando.

*Cassionei Niches Petry é professor, mestrando em Letras e escritor. Lançou seu primeiro livro, Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco) – à venda na Livraria Iluminura –, aos 33 anos, idade em que DFW publicou seu grande romance, o que não quer dizer nada. Escreve quinzenalmente para o Mix e mantém o blog cassionei.blogspot.com.

Comentários

charlles campos disse…
Por que todo mundo que lê DFW passa a reproduzir maniacamente seus usos de notas de rodapé?

Li que o Galera, um dos tradutores deste livro, em seu novo livro, também passou a usar às fartas tal artifício.

Gruda que ném chiclé?
Cassionei Petry disse…
Aqui foi proposital, exercício de estilo, assim como o texto que escrevi sobre o Vila-Matas, dividindo-o em parte 1, 2...
Eu não gosto de notas de rodapé nem mesmo em texto acadêmico. Acho que tudo pode estar inserido no texto principal.
Aliás, o Galera está onipresente e onipotente nos jornais de hoje.
charlles campos disse…
Não vou ler o livro do Galera, mas uma coisa conta muito a seu favor: finalmente, um escritor de sua geração (de minha geração, já que o Galera é 5 anos mais novo que eu) escreveu algo que vai além das covardes 200 páginas. O livro dele passa as 400.
Cassionei Petry disse…

Se tivesse o tempo que ele teve pra se dedicar à escrita do romance, e com adiantamento financeiro, escreveria um com mais de 400 páginas. Não é questão de covardismo.
charlles campos disse…
Essa sua afirmação contradiz a maior parte da história da literatura. Grandes escritores produziram seus livros contra o tempo e em privação financeira. Deixe-me citar, uhnn..., apenas dois de uma lista de 50: Faulkner e Dostoiévski. Mas tem Walter Benjamim, Knut Hamsun, George Orwell, Gunter Grass, V. S. Naipaul,...
charlles campos disse…
Garcia Marquez escreveu Cem Anos de Solidão quase no estado de penúria, em um ano e meio em que abandonou a faculdade de direito, o jornalismo, e vivia com a renda "da mão para a boca" dos trabalhos da esposa. Boa literatura não tem absolutamente nada a ver com financiamento e tempo livre, se fosse assim, talento seria produzido por diploma.
Cassionei Petry disse…
Mas olha quem tu está citando! Me referi a um Galera e a um Cassionei, não a gênios. E muitos aí produziram boa parte de sua obra com tempo e adiantamento de editoras. Lembre-se que o Faulkner dizia que trabalhava de porteiro de puteiro porque lhe dava tempo para escrever.
charlles campos disse…
Existem outros que não são gênios e não sei porque ficariam atrás de você e de qualquer outro, como é o caso de John Fante e uma cambada...

Mas me fez lembrar de uma frase de Cortázar: "gênio e apostar-se gênio e acertar".

E me esclareça uma coisa, se o sujeito não se acha o tal, qual o propósito dele escrever?
Cassionei Petry disse…
John Fante atrás de mim, pensa isso mesmo?

Quando eu era pequeno, eu era o gênio da escola, pois entrei nela sabendo ler. Mas depois fui tomando tanta pancadada, desprezo e silêncio, que eu me recolho a certa insignificância. Mas é claro que, no fundo no fundo acredito no que faço, mas não cabe a mim dizer isso.

Cortázar... e pensar que tem uns aí que não o consideram um grande escritor.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …