Avançar para o conteúdo principal

“Conto de escola”: corrupção, delação e o "tamborzão"

Machado de Assis era um perspicaz analista da condição humana. Em seus romance e contos, somos retratados com tintas nada positivas, mostrando como é verdadeiramente nosso caráter, ou melhor, nossa falta de caráter.

Vejamos o “Conto de escola”, publicado no livro Várias histórias. O narrador, Pilar, assume que está longe de ser “um menino de virtudes”, tendo em vista que, depois de cabular a aula e receber por isso uma surra do pai, decide no outro dia comparecer ao colégio, mas só para não receber outro castigo. Lá chegando, é interpelado pelo colega Raimundo, filho do professor Policarpo. Tentando ser discreto e se livrar dos olhos do pai, Raimundo demora em fazer o pedido ao amigo. Ambos têm medo da palmatória do mestre.

Quando consegue falar, diz a Pilar que tem em seu bolso uma moeda de prata. O narrador confessa ao leitor que a moeda lhe “fez pular o coração”. Raimundo então diz que a moeda seria dele a partir de “uma troca de serviço: ele me daria a moeda e eu lhe explicaria um ponto da lição de sintaxe.” Tem medo de que o pai descubra que  não conseguiu entender o conteúdo da aula.

Conta o narrador: “Tive uma sensação esquisita. Não é que eu possuísse da virtude uma ideia antes própria de homem; não é também que não fosse fácil em empregar uma ou outra mentira de criança. Sabíamos ambos enganar ao mestre. A novidade estava nos termos da proposta, na troca de lição e dinheiro, compra franca, positiva, toma lá, dá cá; tal foi a causa da sensação. Fiquei a olhar para ele, à toa, sem poder dizer nada.

Pilar aceita a moeda. Acontece que outro colega, o Curvelo, disfarçadamente cuidava o movimento dos dois. Tal um grampo telefônico, o menino fica sabendo da artimanha dos colegas e os denuncia ao mestre, o juiz que aceita a delação e ainda tem como prova a moeda do bolso do aluno, o que os leva a serem julgados e condenados à palmatória.

No outro dia, Pilar cabula mais uma vez a aula, desta feita para seguir um batalhão de soldados marchando ao som de um tambor. E conclui a narrativa: “contudo a pratinha era bonita e foram eles, Raimundo e Curvelo, que me deram o primeiro conhecimento, um da corrupção, outro da delação; mas o diabo do tambor...”

Notar semelhanças com os dias em que vivemos hoje, especificamente na política, não é mera coincidência. O conto, ambientado na década de 40 do século XIX, retrata o ser humano e sua miséria moral, que começa já na escola. E há mais. Quando Pilar se distrai com a música fora do ambiente escolar e não vai à aula, podemos comparar com os alunos modernosos e seus enormes fones de ouvido escutando música geralmente de péssima qualidade, como a do “tamborzão” do funk carioca, e, o pior, desprezando a sala de aula e a reflexão intelectual.

É isso o que faz a boa literatura. Passa-se o tempo, mas ela continua refletindo a atualidade e o comportamento humano de qualquer geração. Mudam-se os nomes, mudam-se os costumes, porém o ser humano continua igual.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…