Avançar para o conteúdo principal

Maria Kodama aprovaria?


Conheci a poesia de Escobar Nogueira, num primeiro momento, na sua versão oral. Antes de ler algum livro do autor, assisti a um de seus recitais numa livraria e cafeteria durante a feira do livro da minha cidade. Escobar domina o microfone como poucos. Não é à toa que é chamado para muitas palestras Brasil afora e é um grande professor de cursinhos de pré-vestibular. A leitura da versão escrita de seus poemas, em livros como Milongol e Pejuçara, apenas confirmaram a qualidade do que ouvi.

Sua publicação mais recente é Borges vai ao cinema com Maria Kodama (Chiado Editora, 72 páginas). O título nos remete à oralidade da obra, tendo em vista que Jorge Luis Borges, durante a metade final de sua vida, ditava seus poemas devido à cegueira avançada. Secretária particular, depois esposa e agora detentora dos direitos autorais do marido, Maria Kodama (que se souber desta coletânea, pode querer censurar a publicação) também transcrevia para o escritor argentino os filmes a que iam assistir: “Ela vai ver/Ele vai ouvir/o novo filme de Ingmar Bergman”, diz os versos do poema que dá título à coletânea. Ela, porém, se depara com a dificuldade de fazer com que Borges “veja” um filme cheio de cores e silêncios como Gritos e sussurros: “Mas Kodama está muda./Não vê como traduzir/o vermelho gritante do cenário,/o branco sussurrante do figurino.”

Na culinária poética de Escobar Nogueira, há uma porção de ingredientes misturados, sendo que a intertextualidade dá o tempero principal. O melhor poema da coletânea, pelo menos para este resenhista, tem uma pitada forte de Manuel Bandeira ao tratar da indiferença que temos em relação a quem chafurda no lixo para comer: “um homem comendo o lixo./ E eu não disse: ‘Meu Deus!’./E não pensei que fosse um bicho.//Os seres mudaram./E o pior, Manuel, é que acostumamos com isso”. No poema “Bossa”, o eu lírico afirma que escreveu um romance em que gostaria de se vingar da mulher com quem terminara o relacionamento. Como o narrador de Memórias póstumas de Brás Cubas, “Minha ideia era te encher a cara de bexigas/e te deixar coxa de uma perna.” Em “Divina tragédia”, o eu lírico se lembra de um episódio do poema de Dante Alighieri, em que o casal Francesca e Paolo está no inferno, “no círculo dos luxuriosos,/onde um vendaval incessante arrasta os amantes/que gemem numa completa escuridão”. E completa: “Será assim o lugar para onde iremos, meu amor?”


Escobar ainda dialoga com a novela de televisão, com a música, com a pintura, a fotografia. Neste diálogo incessante com diversas formas de arte, o escritor reafirma seu lugar como artista, em poemas para se ler, ver e ouvir. Acho que Maria Kodama vai aprovar esta homenagem a Borges.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…