Avançar para o conteúdo principal

Uma confissão


Confesso aos meus alunos e aos meus (poucos) leitores: eu menti para vocês. Sou um mentiroso, claro, até porque sou escritor (ou um simples escriba) e os escritores são mentirosos. Faz parte do ofício, ainda mais o de ficcionista. Como escritor, preciso convencer também que a leitura é algo importante nas nossas vidas. Preciso ser lido. Para convencer, me armo de argumentos e, entre as várias possibilidades de que disponho, um argumento aparece com frequência, seja na minha fala em sala de aula, seja nos meus textos na internet e nos jornais: a literatura nos torna inteligentes.

Confesso que menti, mas não menti apenas para vocês. Menti para mim mesmo também. Leitor inveterado, apaixonado pelos livros, principalmente os de literatura, precisava justificar meu desejo de ficar sozinho na minha toca, na maioria das vezes tomando tempo de momentos com a família, para ler, escrever contos, romances, crônicas e artigos, analisar, resenhar livros de forma amadora, pelo simples fato de gostar de compartilhar conhecimento e provocar o leitor. Queria ser mais inteligente. Ingenuidade. Parece que não me tornei mais inteligente. E o pior. A julgar pelas redes sociais, avaliando as postagens de gente que pensava ser inteligente, vejo uma enormidade de idiotices perpetradas por mestres e doutores em Letras, em Filosofia, História e em várias áreas do conhecimento. Vejo também quem não tem muita formação, mas se vangloria por ser autodidata e conhecer boa parte da produção cultural da humanidade, comprovando que a cegueira ideológica e a necessidade de provar que nunca errou nas escolhas eleitorais toma lugar do pensamento lógico, do pensamento ponderado depois de uma análise fria.

Surpreendo-me com os que se curvam fanaticamente ao seu líder de esquerda ou de direita. Surpreendo-me ainda mais com o fanático que leu muito mais obras da literatura e da filosofia do que eu. Surpreendo-me porque os argumentos e analogias desse fanático têm a mesma profundidade do fanático que nunca leu um livro ou leu apenas o que o partido sugeriu. Surpreendo-me com a defesa de corruptos e mesmo com a defesa de suspeitos de corrupção. Se não se pode julgá-los, também não é inteligente defendê-los. Muito menos é inteligente defendê-los com comparações pobres, com distorções de citações, com afirmações tais como “os outros também fizeram”, como se isso desse o aval para todo mundo fazer.


Qual a postura de um intelectual, então, nesses tempos sombrios? Se eu soubesse, diria. Não sou inteligente o suficiente para apontar caminhos. Não digo “vai por este caminho”, mas sim pergunto “por que você não vai por um caminho diferente?”. Como escreveu o poeta português José Régio, “Não sei por onde vou,/Não sei para onde vou/Sei que não vou por aí!”

Comentários

Tiago Moura disse…
O trecho, "...comprovando que a cegueira ideológica e a necessidade de provar que nunca errou nas escolhas eleitorais toma lugar do pensamento lógico, do pensamento ponderado...", coroa, o que se vive hoje nas redes sociais. É bem intrigante.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…