Avançar para o conteúdo principal

Memórias de um descendente de Brás Cubas



“Enredo é coisa de criança”, diz o narrador e protagonista do romance O azul do filho morto (Editora 34), de Marcelo Mirisola (O livro está indisponível no site da editora. Que tal ressuscitá-lo?). Eu escrevi narrador e protagonista? É uma contradição do escrevinhador deste texto, que não pode ser chamado de resenha, muito menos de crítica. Aliás, o título deste texto é contraditório. Também não dá para chamar o livro do Mirisola de romance, afinal não segue as características do gênero justamente por não ter enredo. Então, não há narrador, tampouco personagens, por conseguinte não há protagonista. Os espaços e o tempo vertiginosos da história (?) também não seguem nenhuma regra. O que seria, então? Confissões, memórias, posts de um blog? Ou MM criou um novo gênero literário que poderíamos chamar de “vômito”, “cagada” ou “esporreada”.

Danem-se rótulos e novos rótulos, ainda mais porque Azul do filho morto foi publicado em 2002, no início da era PT, que, parece, já acabou. E Mirisola não teve nenhum seguidor de seu estilo, único, por sinal, na literatura brasileira, assim como sua persona literária e social é singular. E não há como dissociar o escritor dos seus narradores (ou vomitadores ou cagadores ou esporreadores), chamados às vezes de MM. Parece que nem ele faz questão de dissociar. Não sabemos, porém, se o escritor Marcelo Mirisola é personagem da pessoa física Marcelo Mirisola, e se o enredo que está criando é justamente sua vida.

Não vou mencionar o briguento Marcelo Mirisola, que talvez vá brigar comigo por causa desta, vá lá, crítica literária. Isso muitos já o fizeram e se tornou lugar-comum no meio literário brasileiro. Mirisola conseguiu até brigar com o escritor da orelha de O azul do filho morto, Ricardo Lísias, que por sinal andou cortando contato comigo nas redes sociais porque um personagem crítico literário que criei criticou seu livro de contos, logo eu que elogiei na minha coluna do jornal seu romance O céu dos suicidas. Mas voltando (estou parecendo o protagonista (?) do Mirisola, que vai e vem em suas digressões. Efeito MM.). Tentando resumir para o leitor deste blog a narrativa (?), temos contada (?) a vida de um aspirante a escritor (“Antes de qualquer meleca sempre fui um escritor.”), focada principalmente na infância e adolescência. Um jovem que gostava de lamber azulejos do banheiro, enfiar calcinhas sujas das empregadas no seu próprio cu, ser chupado por um débil mental, punhetar um pastor alemão (o cachorro), chupar buceta e trepar putas de graça, só para citar algumas das suas atividades comuns do dia a dia. 

Desfilam aos olhos do leitor uma galeria de personagens, ou uma folha de corrida de pessoas reais, inclusive nomeando celebridades que inspiraram as bronhas do esporreador-escritor. Mirisola não mede as palavras para vomitar em cima de todos e de si mesmo. Sobra até para os editores e outros seres da fauna literária brasileira: “Em 1989, tive meu primeiro original recusado: Um pouco de Mozart e genitálias. Bem, azar de quem recusou. Para mim, os editores – com exceção do meu que está sempre pagando uma merreca pr’eu escrever este livro – são todos uns chupadores de pica, analfabetos, cegos por opção, degenerados, mercenários e débeis mentais. Vale a mesma coisa pros jurados de concursos literários e pros poetas em geral. Odeio poetas.” Ou seja, também sobrou pra mim, pois já fui jurado num concurso em que o escritor não ganhou nada. 

O filho morto do título remete este professor de literatura e metido a escritor e crítico, que sou eu, ao também pseudo-romance Memórias póstumas de Brás Cubas, do Machado de Assis, cujo narrador-protagonista é um ancestral mais comedido do narrador-protagonista de Marcelo Mirisola (por coincidência, dois escritores que têm a letra M em seus nomes). São dois vomitadores autocríticos que criticam a sociedade em que chafurdam e que não transmitiram “a nenhuma criatura o legado da nossa miséria”. Ambos, porém, também choraram, disfarçadamente quando as mulheres com quem treparam perderam as crianças. E ambos são criações de dois grandes escritores brasileiros.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …