Avançar para o conteúdo principal

Meu texto na página de opinião da Gazeta do Sul de hoje


Qual o caminho seguir?



Na minha adolescência, sempre ouvia uma frase que me dava um norte político: não seja massa de manobra. Essa afirmativa se referia a um tal de “sistema” que nos conduzia o pensamento, que nos cegava e nos guiava a seu bel-prazer. O “sistema”, por sua vez era composto, entre outras coisas, pelo governo e por uma mídia manipuladora. O governo, claro, era de uma ideologia reacionária e a mídia, por sua vez, era formada pela Rede Globo, pela Revista Veja, pelo jornal Zero Hora, enfim, pelos meios de comunicação que tinham interesses em manter no poder os conservadores. Segundo, claro, aqueles que me diziam para não ser massa de manobra.


Acontece que essa repetição de uma mesma frase tornou-se algo verdadeiro, indiscutível. Quem não concordasse com ela era alienado, um servo do sistema. Então, fazia de tudo para que minhas opiniões se encaixassem dentro dessa ideia, tentando sempre ir contra o “sistema”, não me deixando ser manipulado. Ora, mas será que não estava continuando a ser conduzido, porém por outras forças que não o “sistema” e “a mídia manipuladora”? Ao guiar minhas opiniões por conceitos pré-fabricados por uma ideologia de contestação, não estaria ainda assim sendo parte de uma “massa de manobra”?


Hoje sou um “em cima do muro” assumido. Aliás, ser chamado assim é algo negativo para muitos. Temos que escolher um lado e reproduzir as opiniões dos que fazem parte deste lado, não importam se essas ideias vão de encontro às nossas vontades individuais. Aliás, é também negativo pensar só em si mesmo. Temos, dizem, que pensar na coletividade, aceitar o que diz nossa categoria, falo aqui dos professores, deixarmos de ser egoístas e aceitar o que diz a maioria. 


Não, não aceito. O caminho que sigo não é o da maioria. O escritor norte-americano Robert Frost escreveu um belo poema, cujo trecho foi reproduzido pelo personagem de Robin Williams em “A sociedade dos mortos”: “Dois caminhos bifurcavam, e eu –/O menos pisado tomei como meu/E a diferença está toda aí.” Sigo minha própria senda, que pode ser a errada, e essa senda pode inclusive ser construída por mim mesmo. Mas por que, ao invés de escolher um dos dois caminhos, eu não posso fazer um novo entre os dois?


Humberto Gessinger, líder da banda gaúcha “Engenheiros do Hawaii”, compôs: “Só um caminho/a vida está cheia deles/meu destino eu faço/eu traço passo a passo”. A música faz parte do seu disco solo, intitulado “InSULar”, simbolizando aquele anda só, isolado, como uma ilha, dentro do sul, que é o seu lar. O mesmo Gessinger escreveu, inclusive, uma letra que me serve como lema de vida: “Ando só, como um pássaro voando/Ando só, como se voasse em bando”. É difícil viver entre as pessoas e mesmo assim manter sua individualidade. Mas tento.


Reparem que, mesmo para seguir o meu caminho, eu sigo o que outros escreveram. São escolhas, porém, minhas. São poemas e músicas que me fazem tirar minhas próprias conclusões ou então, simplesmente, me recolher a minha insignificância e não concluir nada. Quando vejo manifestações contra ou favor de governos, quando sou chamado a aderir a passeatas de protesto ou a parar de trabalhar como todo mundo para reivindicar algo, me pergunto se devo me inserir dentro dessa massa. Ao ver o que defendem os líderes dessa massa, no entanto, recorro a outro poeta, o português José Régio: “Não sei para onde vou/sei que não vou por aí.”

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…