Avançar para o conteúdo principal

No Traçando Livros de hoje,"A poeira da glória"


Na minha coluna no caderno Mix, na Gazeta do Sul de hoje, escrevo sobre "A poeira da glória", de Martim Vasques da Cunha.

Levantando poeira


Poderiam depor contra o livro A poeira da glória, de Martim Vasques da Cunha (Record, 630 páginas) os inúmeros depoimentos que li na internet dando conta de que essa era a maior e melhor obra sobre literatura nos últimos anos no Brasil. Fazendo jus ao título, essas afirmações colocaram um pouco de poeira da glória sobre o volume e sobre o autor. Sem dúvida, estamos diante de um conjunto de ótimos ensaios. Porém, ao pretender ser o que não é, a decepção de quem vai com sede ao pote é muito grande.

Na introdução, Martim Vasques da Cunha afirma que o leitor deve esquecer a pessoa que escreveu. Para se compreender obra dele, não importa sua ideologia política, por exemplo. Boa parte do que virá pela frente, porém, tenta desmitificar escritores justamente devido a seus predicados na vida real. Essa contradição é o primeiro grande senão do livro, que também falha na ambiguidade, defeito que aponta em outros autores. Muitas vezes não fica claro quando ele os está elogiando ou criticando. Em um trecho, por exemplo, afirma que o ensaio “Dialética da malandragem”, de Antonio Cândido, é “brilhante, porém equivocado”. Em outro, afirma que, em Noite da Taverna, Álvares de Azevedo, “há uma destreza narrativa na forma como os contos estão interligados, mas a escrita é pobre, próxima de uma redação escolar”. Para um livro de ensaios, é necessário mais clareza.

Propondo ser “uma (inesperada) história da literatura”, como consta na capa, a obra peca também por dar ênfase à análise de críticos literários e historiadores, como Antônio Cândido, Sérgio Buarque de Holanda e José Guilherme Merquior, além de destacar mais os aspectos políticos desses autores. Muitos romancistas, contistas e poetas ficaram de fora do livro, provando que não é a história da literatura o foco principal.
Se desconsiderarmos essa equivocada forma de vender o produto e encararmos os ensaios como crítica literária e cultural (como propõe o autor na introdução), encontraremos, aí sim, uma obra que justifique a imersão em suas mais de 600 páginas. Aliás, prefiro livros e escritores contraditórios a obras certinhas, racionais em demasia, e autores lineares no seu pensamento.

Martim Vasques derruba o mito dos escritores como antenas da raça, como gênios que devem ser idolatrados, como homens que entendem de política e cujas opiniões, portanto, formam a opinião de uma legião de leitores. Mostra como era e continua sendo nefasta a influência de artistas nas decisões que conduzem nosso país. Sobre Machado de Assis, por exemplo, Martim não esconde a simpatia pela brilhante obra literária do autor de Dom Casmurro. No entanto, condena sua literatura por ser a de um sujeito dissimulado, acometido do que o autor chama de “quietismo político”. Afirma que a “dissimulação de Machado de Assis é um veneno para a nossa sensibilidade moral”.

A propósito de José de Alencar, analisa as formas “como um escritor age quando tem delírios de poder”. Faz críticas certeiras à artificial língua brasileira proposta por Mário de Andrade e afirma que Guimarães Rosa “produziu uma pirâmide” que se tornou “um biscoito muito delicioso, mas pouco nutritivo”, enquanto que Otto Lara Resende, “que parecia ter feito apenas biscoitinhos com um sabor esquisito era quem tinha preparado o alimento que nos sustentaria na longa noite escura que ainda atravessamos”.
Otto Lara Resende (é dele a expressão que dá título ao livro) é um dos merecedores de análise positiva, ao lado de, entre outros, Cecília Meireles e Nelson Rodrigues, afinal nem só de crítica negativa vive o crítico. Destaco ainda a portentosa bibliografia, que denota a carga elevada de leitura do autor, provando que sua análise é bem fundamentada, concordando-se ou não com ela. É um exemplar para ser lido relido e que não deve ficar na estante acumulando poeira.


Cassionei Niches Petry é escritor e jura não estar buscando a poeira da glória. Sabemos, porém, que os escritores são todos mentirosos. Além de escrever esta coluna, colabora com sites na internet e mantém um blog, www.cassionei.blogspot.com.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…