Avançar para o conteúdo principal

Segismundo e o poder

El sueño del caballero o La vida es sueño, quadro do pintor barroco Antonio de Pereda.
(Esta postagem não tem nada a ver com os acontecimentos da política de nenhum país da América do Sul, que fique claro.)
A vida é sonho é uma peça de teatro escrita pelo espanhol Pedro Calderón de la Barca em 1635. No enredo, o rei da Polônia, Basílio, mantém preso na cela de uma torre o seu filho Segismundo desde o nascimento. O único contato que o rapaz tem com o mundo exterior é o criado Clotaldo, que lhe traz tanto a comida para o corpo como a para o espírito, pois faz às vezes de professor, ensinando-lhe inclusive sobre a religião católica. Seu pai o mantinha em cativeiro para evitar as predições de um oráculo que afirmava que o príncipe, se assumisse o poder, seria um tirano cruel e também porque o seu nascimento provocou a morte da rainha.
Tentando dar uma chance para o filho e driblar o destino, o rei pede a Clotaldo que prepare uma poção para fazer o jovem dormir. Quando acorda, se vê rodeado das riquezas do reino e lhe é revelado ser o príncipe. Com o poder nas mãos, demonstra sua verdadeira natureza, sendo violento e desejando a morte daqueles que o teriam traído, inclusive o próprio Basílio. O rei, então, o leva de novo ao sono. Segismundo acorda na sua cela e lhe dizem que tudo não havia passado de um sonho. Atordoado, recita um dos grandes monólogos da história do teatro:
“- Sonha o rei que é rei, e segue
com esse engano mandando,
resolvendo e governando.
E os aplausos que recebe,
Vazios, no vento escreve;
e em cinzas a sua sorte
a morte talha de um corte.
E há quem queira reinar
vendo que há de despertar
no negro sonho da morte?
(...)
Eu sonho que estou aqui
de correntes carregado
e sonhei que em outro estado
mais lisonjeiro me vi.
Que é a vida? Um frenesi.
Que é a vida? Uma ilusão,
uma sombra, uma ficção;
o maior bem é tristonho,
porque toda a vida é sonho
e os sonhos, sonhos são.”

Segismundo recebeu a chance de ter o poder, mas não soube aproveitar, por isso voltou à solidão de sua torre, lamentando que o sonho não fosse real. É a vida.

  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …