Avançar para o conteúdo principal

Segismundo e o poder

El sueño del caballero o La vida es sueño, quadro do pintor barroco Antonio de Pereda.
(Esta postagem não tem nada a ver com os acontecimentos da política de nenhum país da América do Sul, que fique claro.)
A vida é sonho é uma peça de teatro escrita pelo espanhol Pedro Calderón de la Barca em 1635. No enredo, o rei da Polônia, Basílio, mantém preso na cela de uma torre o seu filho Segismundo desde o nascimento. O único contato que o rapaz tem com o mundo exterior é o criado Clotaldo, que lhe traz tanto a comida para o corpo como a para o espírito, pois faz às vezes de professor, ensinando-lhe inclusive sobre a religião católica. Seu pai o mantinha em cativeiro para evitar as predições de um oráculo que afirmava que o príncipe, se assumisse o poder, seria um tirano cruel e também porque o seu nascimento provocou a morte da rainha.
Tentando dar uma chance para o filho e driblar o destino, o rei pede a Clotaldo que prepare uma poção para fazer o jovem dormir. Quando acorda, se vê rodeado das riquezas do reino e lhe é revelado ser o príncipe. Com o poder nas mãos, demonstra sua verdadeira natureza, sendo violento e desejando a morte daqueles que o teriam traído, inclusive o próprio Basílio. O rei, então, o leva de novo ao sono. Segismundo acorda na sua cela e lhe dizem que tudo não havia passado de um sonho. Atordoado, recita um dos grandes monólogos da história do teatro:
“- Sonha o rei que é rei, e segue
com esse engano mandando,
resolvendo e governando.
E os aplausos que recebe,
Vazios, no vento escreve;
e em cinzas a sua sorte
a morte talha de um corte.
E há quem queira reinar
vendo que há de despertar
no negro sonho da morte?
(...)
Eu sonho que estou aqui
de correntes carregado
e sonhei que em outro estado
mais lisonjeiro me vi.
Que é a vida? Um frenesi.
Que é a vida? Uma ilusão,
uma sombra, uma ficção;
o maior bem é tristonho,
porque toda a vida é sonho
e os sonhos, sonhos são.”

Segismundo recebeu a chance de ter o poder, mas não soube aproveitar, por isso voltou à solidão de sua torre, lamentando que o sonho não fosse real. É a vida.

  

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…