Avançar para o conteúdo principal

"A Bíblia do Che", de Miguel Sanches Neto, no Traçando Livros de hoje


Na minha coluna no jornal Gazeta do Sul de hoje, caderno Mix, escrevo sobre o mais recente romance de Miguel Sanches Neto.

Do idealismo à corrupção

Carlos Eduardo Pessoa é um dos meus personagens preferidos da literatura brasileira contemporânea. Narrador e protagonista do romance A primeira mulher, o professor criado pelo paranaense Miguel Sanches Neto é dono de uma frase que resume minha profissão: “O bom professor de literatura é antes de tudo um carregador de livros.” Posso não ser um bom professor, mas sempre estou com minha pasta forrada desses objetos subversivos.
Pessoa volta à ativa em A Bíblia do Che (Companhia das Letras, 283 páginas), dez anos depois da última investigação em que se meteu. Morando em uma sala comercial, tentando se isolar o máximo possível de todo mundo, o antes mulherengo mestre deixou sua profissão e se abstém de encontros amorosos, porém não abandona os livros, que compra aos montes pela internet e depois doa para bibliotecas. Sua tranquilidade é quebrada quando Jacinto, um lobista que conheceu durante sua última aventura, consegue encontrá-lo e o contrata para descobrir uma Bíblia que supostamente seria de Che Guevara, com anotações do guerrilheiro quando esteve foragido em Curitiba. “Algo ligava aquele caso à literatura. Se não fosse necessário alguém com conhecimentos literários, contratariam um investigador de verdade.” A ficção a partir de personagens históricos vem sendo uma tônica na obra de Miguel Sanches Neto. Adolf Hitler, por exemplo, dá as caras no ótimo A segunda pátria.
Enquanto Pessoa empreende sua busca, Jacinto morre assassinado. O indivíduo que realmente desejava a Bíblia o procura e revela ser a esposa de Jacinto. Jovem idealista, admiradora de Che, Celina diz estar sendo perseguida, provavelmente pelos assassinos do marido, envolvido na Lava-Jato. O professor aposentado se sente rapidamente atraído por ela, após anos de celibato. A motivação agora é ajudá-la, em primeiro lugar a tentar descobrir quem matou o marido, em segundo lugar, a salvar a pele da mulher e a sua própria, e em terceiro, a levá-la para conhecer − enquanto empreendem uma fuga das pessoas ligadas ao escândalo de corrupção − os últimos lugares pelos quais passou Che Guevara na Bolívia. Na verdade, o que ele deseja mesmo é continuar indo para a cama com ela.
A busca pela Bíblia é um “MacGuffin”, expressão utilizada por Alfred Hitchcock para designar algo que move a trama em uma narrativa, mas cuja importância é discutível. O nó a ser desenrolado é provocado pelos crimes que envolvem políticos, empreiteiras e lobistas como Jacinto. A figura de Che é emblemática porque os envolvidos nesses escândalos atuais o tinham como herói na juventude durante a luta contra a ditadura. Hoje no poder, a luta é para lucrarem cada vez mais e Che é apenas um retrato na camiseta ou uma tatuagem no braço.
A expressão que dá título ao livro é ambígua, pois pode significar o objeto em si, um livro raro cuja existência é duvidosa, ou as regras de conduta inspiradas nas ações do guerrilheiro argentino e seguidas por milhares de pessoas ainda ingenuamente idealistas, que o veem como uma figura religiosa, como se percebe na fala de um senhor que o conheceu: “− Era Jesus Cristo. Não pela aparência, magreza, cabelos e barba compridos. Pelos olhos. Os olhos queimavam a gente. (...) Venho aqui para rezar a San Che.” Mais um bom romance de Miguel Sanches Neto que não pode faltar na sua biblioteca, caro leitor.

Cassionei Niches Petry é professor de literatura e escritor. Já foi um garoto que amava Fidel Castro e Che Guevara. Despertou na hora certa. É autor de um romance e um livro de contos, frutos ainda de seu idealismo ingênuo. Suas contradições podem ser lidas no blog www.cassionei.blogspot.com.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…